‘Não há qualquer verdade no conceito ‘execrável’ de ‘vender papel a qualquer preço’, ou seja, na especulação e sensacionalismo informativos’

Notícias e ética na informação

Notícias e ética na informação

Pub

 

 

Quem, o quê, quando e onde continua uma fórmula importante para conferir uma notícia. E não podemos descurar nenhum destes elementos básicos das notícias, em especial nestes tempos de desinfomação.

Regresso a estas noções básicas do jornalismo relendo o Manual de Jornalismo de Ricardo Cardet que a Organização Internacional de Jornalistas publicou, em Castelhano e que o jornalista Armando Pereira da Silva traduziu para Português.

Esta versão em língua portuguesa é um dos meus primeiros livros sobre jornalismo e foi por mim adquirida, em Junho de 1977, mês em que foi editada pela Caminho e ano em que iniciei a minha actividade de jornalista profissional.

Acresce ser uma versão traduzida e prefaciada por Armando Pereira da Silva (1940-2022), jornalista português de referência que recentemente nos deixou, deixando obra escrita, no jornalismo e na literatura.

O jornalista, as notícias e a verdade

O tradutor para Português cita no prefácio ao manual que traduziu uma frase de Cardet que merece ser também aqui sublinhada – “O erro mais grave em jornalismo é dar notícias com dados inexactos, porque uma informação errada é mentira pública”.

A batalha pela verdade na informação passa pela técnica e pela ética jornalísticas, pilares seguros para suportar a recusa à divulgação de informações equívocas ou que se baseiem em dados não rigorosamente confirmados.

Claro que é preciso saber bem o que é uma notícia (“um facto actual com interesse geral”, na definição sintética de Cardet) e aceitar que toda e qualquer informação que não tenha actualidade ou não tenha interesse geral deixa de poder ser apresentada como notícia.


‘Não há qualquer verdade no conceito ‘execrável’ de ‘vender papel a qualquer preço’, ou seja, na especulação e sensacionalismo informativos’


É interessante ler neste manual algumas considerações que mantêm grande actualidade meio século depois de terem sido apresentadas – não há qualquer verdade no conceito, classificado de execrável, de “vender papel a qualquer preço”, ou seja, na solução da especulação e sensacionalismo informativos.

Quem diz vender papel diz vender “gostos” ou “cliques” ou garantir audiências televisivas ou radiofónicas, números essenciais para a captação de publicidade, uma das eternas condicionantes da própria Imprensa. Dúvidas e certezas que devem ser permanentemente equacionadas na hora de defender a verdade na informação.

notícias - ética - técnica - jornalismo - mídia - jornais - rádio - televisão - fake news - verdade - mentira - sensacionalismo - manual de jornalismo - ricardo cardet

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão

Porque acreditamos em notícias falsas?

Temos que traçar uma linha vermelha nas redes sociais

VILA NOVA. Conte connosco, nós contamos consigo.

O seu diário digital VILA NOVA Online é gratuito para os leitores e sempre será.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91; BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Publicidade (promoções temporárias e tabelas em vigor ):

Basta enviar-nos o comprovativo da sua compra e o conteúdo a publicar.

Contacte-nos para situações especiais.

Envie-nos os seus dados. Receberá, na volta do correio, o recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

Porquê ler George Orwell em 2022?

Amordaçar a Imprensa em Vila Nova de Famalicão

Vila Verde alerta cidadãos para perigos da desinformação digital

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Crónica, Ética, Mídia

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.