‘Se o PCP lesou gravemente o direito de dar lições sobre democracia, a IL demonstrou que nunca o terá!’

A democracia das cadeiras vazias

A democracia das cadeiras vazias

Pub

 

 

Na Assembleia da República (AR), casa da democracia, esta quinta-feira, o que para mim estava em causa era o reconhecimento, pelo Estado Português, da soberania da Ucrânia enquanto nação, da inviolabilidade das suas fronteiras e, bem assim, a legitimidade do seu Presidente Zelensky.

O dissídio do PCP com os restantes partidos tem a ver com a circunstância de não reconhecer legitimidade democrática ao Presidente da Ucrânia. Embora isso suceda por razões distintas das de Putin, a verdade é que, na prática, no momento em que abandonou o Parlamento, o PCP acaba por legitimar parte dos argumentos daquele e, nesta fase, isso é, a meu ver, politicamente inadmissível.

Democracia destratada na Assembleia da República pelo PCP mas também pela IL

Com a sua ausência na recepção ao Presidente Zelensky da Ucrânia, o PCP acabou por destratar o regime democrático português que, ironicamente, ajudou decisivamente a fundar. As cadeiras vazias materializaram a rejeição das regras democráticas que lhe permitiram votar, em liberdade, contra o convite.

No entanto, este ultrapassar dos limites à esquerda não ficou isolado dado que, à direita, um dos partidos também entendeu que o seu mandato electivo pode ser suspenso sempre que não lhe agrade quem estiver no uso da palavra no Parlamento. Se o PCP lesou gravemente o direito de dar lições sobre democracia, a IL demonstrou que nunca o terá!

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão - comunidade

Preços dos alimentos aos níveis mais elevados de sempre

Pobreza e desigualdade têm vindo a diminuir em Portugal nos últimos 25 anos

Obs: texto previamente publicado na página facebook de Célia Borges, tendo sofrido ligeiras adequações editoriais na presente edição.

Imagem: Miguel A Lopes / Lusa / Rádio Renascença

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Visite também os nossos anunciantes.

Gratos pela sua colaboração.

‘Portugal for Ukraine’ congrega apoios a refugiados ucranianos

Não há pão nem brioche

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do Autor

Célia Borges

Jurista. Vila Nova de Famalicão.

Comente este artigo

Only registered users can comment.