‘Não fosse a imensa tragédia humana e o sofrimento atroz a que assistimos naquele povo ucraniano e, depois destas linhas, penso até como seria um ‘talkshow’ com todos os líderes destes governos, da Rússia, Ucrânia, UE e EUA’

‘Vêm aí os Russos’

‘Vêm aí os Russos’

Pub

 

 

Não percam o documentário ‘Zelensky: a história’*.  Nada do que ali é dito justifica uma invasão da Rússia, reitero que só no quadro da disputa interimperial se pode entender (não justificar) este conflito, os EUA armam oficialmente a Ucrânia, portanto estão em guerra por interposto país. O que fazer? Tentei contribuir para essa questão num artigo no Jornal I com o mesmo título. Feito este introito, o documentário, ainda por cima da CNN, é imperdível: Zellensky é um arrivista social, que tem um talkshow, na televisão de um oligarca ucraniano que é dono do canal privado, oligarca em fuga do país por desvio de fundos. Juntos criam um Partido com o mesmo nome do talkshow, e a última temporada do talkshow decorre durante as eleições! Melhor é impossível.

O grau de infantilização e desprezo pelos cidadãos não podia ser maior, não admira que a Ucrânia esteja, a par da Rússia, no fim dos índices democráticos internacionais todos. Zellensky ganha o concurso, perdão, as eleições. E soma escândalos. Está no Panama Papers; somam-se os membros do Partido e oligarcas a receber luvas, ele coloca-os em directo com um detector de mentiras para tentar provar que não receberam luvas; é colocada em público, por um jornalista, a gravação – sem possibilidade de desmentir – da conversa de Zellensly e Trump, onde Trump lhe promete 400 milhões em armamento em troca de Zellensky vigiar os negócios do filho de Biden na Ucrânia. Às vezes não sabemos se é um documentário do “líder do mundo livre” ou um capitulo do filme O Padrinho. E na CNN! A decadência máxima do capitalismo mundial, é de ficar de boca aberta. Zellensky fica aliás de boca aberta várias vezes quando é confrontado com os escândalos de corrupção, mas não se deixa abalar. Faz mais uma selfie – não estou a brincar. É ver para crer.

O documentário ignora olimpicamente o apoio do governo ucraniano à extrema-direita, a proibição da língua russa e ensino apoiada por Zellensky (falada por 45% dos ucranianos), passa ao de leve nas manifestações, antes da guerra, de ucranianos russos contra Zellensky, e explica, sem dúvida, que havia uma guerra civil no Donbass desde 2014 com 14 mil mortos – aliás admitida no discurso de tomada de posse de Zellensly que discursa dizendo que será a sua principal missão, acabar com a guerra num Donbass. O homem que agora viu o seu país transformado num palco de guerra interimperial, destruído na zona leste, com 4 milhões de pessoas em fuga. E que promete continuar a “resistir”, e acusa a NATO e UE de serem uns cobardes porque não aceitam uma terceira guerra mundial. Sim, todos os dias o comediante pede uma guerra nuclear, e aparece em capas de jornais ocidentais como o novo Churchill… A mesma NATO que armou, treinou o seu exército. Ele estava convencido que a NATO estava ali para defendê-lo, não percebendo que a NATO, por agora, luta na Ucrânia, para levar os seus países para a guerra vai ser preciso mais desespero económico. O comediante esqueceu-se que a vida não é um programa de TV. Achou, porventura, que as imagens da destruição e sofrimento eram suficientes para a NATO lançar bombas nucleares, esqueceu-se de duas coisas – a primeira é que para levar os povos europeus para uma guerra vai ser preciso mais do que fotos de prédios a cair, porque aqui deu-se a II Guerra Mundial, sabemos, de memória, o que é a barbárie. Morreram 80 milhões de pessoas nessa guerra. A segunda é que a NATO não se sensibiliza com fotos, de outra forma já tinham feito algo na Palestina, no Iémen, na Síria. As guerras dos impérios não são feitas para parar o sofrimento humano, mas para disputar matérias primas. Se Zellensky lesse qualquer coisa de história em vez de filmes do instagram talvez não se tivesse desiludido tanto.

Zellensky não conseguiu impedir que o seu país se tornasse um ringue de boxe mortal entre os EUA, a UE e a Rússia (o que sejamos sinceros não teria sido tarefa fácil, porque nem os EUA nem a Rússia abdicam das riquezas em jogo), e isso é dado como um caso de sucesso – todo o argumento do comentário, cito, é o ‘fantoche’ de um oligarca e do Ocidente que se transformou num brilhante estadista. Como? Agora vem a cereja no bolo do documentário. Porque todo o enredo é a explicar que Zellensky é genial, ele é o primeiro presidente ‘infuencer‘ que ganhou o coração dos ucranianos com filmes no instagam às 7 da manhã a dizer “bom dia” e a fazer jogging. Ide ver, e que com muitas selfies passou pelos escândalos de corrupção e sobreviveu.

A quem venha aqui explicar-me que a Rússia é uma ditadura reitero, o inimigo do meu inimigo não é meu amigo. Já escrevi em livro amplamente sobre a ditadura na Rússia, e a sua história, na altura em que o Ocidente gostava da ditadura e a incentivava – fazia parte dos negócios. O Estado russo não salvará os ucranianos do Estado ucraniano, e são os russos, com os ucranianos, que poderão pôr fim a esta guerra, e não vai ser com o apoio de ambos os Estados – só os povos podem conquistar a paz, contra as guerras feitas por Governos. Nenhuma liberdade é conquistada com bombas. Agora, que o auto-proclamado Ocidente tenha transformado este Berlusconi das redes sociais, que está a ver o seu país devastado, num Churchill diz muito. Diz muito não sobre o comediante influencer, mas sobre o estado a que chegaram os Estados do Ocidente, que provocaram ou não impediram, e ainda armam esta guerra (sem nos consultar) em nome de, imaginem, “valores democráticos”. Não fosse a imensa tragédia humana e o sofrimento atroz a que assistimos naquele povo ucraniano e, depois destas linhas, penso até como seria um talkshow com todos os líderes destes governos, da Rússia, Ucrânia, UE e EUA. Podia chamar-se ‘Vêm aí os Russos’. Um dia no futuro, sem mais ameças de guerra e guerras, poderemos colocar a realpolitik no caixote de lixo da história e fazer disto um talkshow. E rir-nos, olhando cada uma destas personagens, do legado do capitalismo.

PS: na minha Breve História da Europa há um capítulo sobre a revolução russa, outro sobre a contra revolução estalinista, a II Guerra, a queda do Muro e um capítulo de conclusão sobre o papel da Rússia na Europa.

* Obs: documentário transmitido na CNN esta quarta-feira, 27 de março.

JYSK Portugal - Vila Nova de Famalicão - Lagoa - Atlantic Park - Decoração - Têxteis-lar - Casa - Habitação - Loja - Residência - Morada - conforto - bem-estar - JYSK - JYSK Portugal - Vila Nova de Famalicão - loja - estabelecimento comercial - atlantic park - decoração - têxteis-lar, colchões - roupa de cama - roupa de banho - mobiliário - conceito - 3.0 - hygge - bem-estar - conforto - tranquilidade - preço - desconto - reabertura - investimento - postos de trabalho

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão

Fiel a si mesma, Clara Haddad é um mundo de histórias

Obs: artigo previamente publicado no blogue da autora Raquel Varela | Historiadora, tendo sofrido ligeiras adequações na presente edição.

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Visite também os nossos anunciantes.

Gratos pela sua colaboração.

As epidemias do Império Romano

Pub

Categorias: Crónica, Guerra

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.