‘A responsabilidade ambiental, pela sua transversalidade e pelo seu objeto de ação, deverá ser entendida na sua vertente de responsabilidade intra e intergeracional, assente numa ótica social e de garante da qualidade de vida do ser humano e do ambiente por si só’

‘Mais cego é aquele que não quer ver’

‘Mais cego é aquele que não quer ver’

Pub

 

 

Os ditados populares têm algo de fantástico. Representam a sabedoria antiga traduzida em conselhos e alertas que na sua maioria poderíamos utilizar para pautar algumas das nossas condutas diárias. Existe um que me vem à memória de cada vez que observo atos de pura negligência ou negação perante a emergência climática e atropelos ambientais – Mais cego que aquele que não vê, é aquele que não quer ver.

Atravessamos uma época especialmente preocupante com fenómenos climatéricos a agravarem-se quer em grau, quer em número. Nunca se debateu tanto sobre a questão ambiental, mas, enquanto sociedade, estaremos prontos para aceitar as conclusões? Ou, seremos capazes de reconhecer a nossa incapacidade e até relutância de, efetivamente, reconhecer a emergência climática?

Problemas ambientais de Famalicão estão identificados, mas ninguém parece querer saber

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2019 e 2020 foram registadas, através da linha SOS ambiente e território do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), 10.285 e 12.185 denúncias, respetivamente. Muitas delas foram relativas ao concelho de Famalicão.

Cresci a ouvir falar do problema da poluição do rio Ave, paralelamente já tive a feliz oportunidade de ouvir falar do tempo em que a população podia banhar-se nas suas águas. É certo que é reconhecida uma evolução na estratégia da sua despoluição, contudo parte dessa não-poluição muito se deveu a mudanças económicas em todo o Vale do Ave, com muitas empresas associadas ao setor têxtil a encerrarem.

A existência de focos de poluição no concelho é mais que conhecida e estão os mesmos identificados, um deles diz respeito ao Parque de Lazer Calça Ferros, em Pedome. E ninguém parece querer saber.

Graves problemas com reservas de água em Famalicão

O que aconteceu com as gerações anteriores que não protegeram um recurso hídrico valiosíssimo como o rio Ave repete-se nos dias de hoje quando temos graves problemas relacionados com reservas de água que estão a colocar em causa culturas e subsequente alimentação quer de animais, quer de populações. No entanto, continuamos a assistir a uma inação, a uma falta de responsabilidade ambiental – privada e pública – e a uma total negação dos problemas que temos em mãos.

Rio Ave, agente potenciador de biodiversidade e qualidade ambiental

Estamos longe de garantir que o rio Ave, pelo seu valor intrínseco, seja reconhecido como parte de um meio ambiente e como agente potenciador de garantir uma biodiversidade rica e de qualidade ambiental e, portanto, objeto de proteção por si só. O que nos resta saber é se algum dia este tema fará parte da agenda executiva dos órgãos locais e nacionais.

Responsabilidade ambiental, garante de qualidade de vida

Sermos responsáveis ambientalmente não se limita a cumprir procedimentos e normas europeias ou nacionais que visam minimizar os impactos no meio ambiente, ou a abanar a bandeira do ambiente em campanhas eleitorais. A responsabilidade ambiental, pela sua transversalidade e pelo seu objeto de ação, deverá ser entendida na sua vertente de responsabilidade intra e intergeracional, assente numa ótica social e de garante da qualidade de vida do ser humano e do ambiente por si só.

Fradelos: duas medidas, o mesmo peso!

Ambiente: o bem comum

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão

Trofa reduz consumo de água

Imagem: Gualter Costa / Viver o Ave

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Visite também os nossos anunciantes.

Gratos pela sua colaboração.

LIPOR candidata projetos aos troféus europeus de prevenção de resíduos

Pub

Categorias: Ambiente, Crónica, Política

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.