‘A Inês Sousa Real falta compreender que tudo se joga no modo como pensamos os modelos económico, social e político, e a isso só se chega escolhendo um lugar de combate’

[PAN vive ainda] no tempo em que os animais falavam

[PAN vive ainda] no tempo em que os animais falavam

Pub

 

 

Num partido ainda jovem, como o PAN – Pessoas-Animais-Natureza, que conta com uma base militante restrita, mas empenhada nas causas que o partido defende, uma mudança de liderança pode ter efeitos significativos, mesmo sísmicos. Neste caso, e numa avaliação puramente subjetiva, não me parece que a mudança de líder tenha beneficiado o PAN. Inês Sousa Real, a porta-voz do PAN, é competente e parece-me preparada, mas não gera empatia. A sensação de autenticidade e proximidade, transmitida pelo seu antecessor, deu lugar a uma impressão de distância e mesmo de artificialidade. Impressões subjetivas, já o disse, mas em política as sensações são importantes e, como dizia alguém de funesta memória, «em que política o que parece é». No caso do PAN, no entanto, o que está em causa nestas eleições não é apenas a avaliação dos líderes pela maior ou menos empatia que geram. O partido parece estar numa encruzilhada, sofrendo dores de crescimento que o deixam na dúvida adolescente se deve deixar crescer o bigode ou manter a frescura juvenil, com mais ou menos acne.

Como pode crescer o PAN?

Exemplo único no contexto português, o PAN afirmou-se em torno de uma causa muito concreta, tendo conseguido consolidar um razoável eleitorado em torno dela. A «causa animal» ganhou músculo e relevância na sociedade portuguesa, e o PAN soube ocupar esse nicho de mercado eleitoral de forma muito competente. Todavia, embora seja sólida, essa causa não é elástica, nem pode garantir um crescimento sustentável do partido. Crescer, agora, só mesmo para os lados, ou seja, entrando noutros eleitorados, sabendo que dessa forma corre o risco de ver fugir o seu eleitorado tradicional. É neste ponto que o PAN se encontra e é esta a raiz do problema que transparece nos debates.

«Nós temos coisas para dizer acerca da economia, do ambiente, do papel do Estado, da TAP, da Bazuca e de tudo o mais».

A Inês Sousa Real falta escolher um lugar de combate

Pois, talvez tenham, mas o que Inês Sousa Real tem dito sobre os magnos assuntos da governação não vale grande coisa. A visão infantil de que há «políticas boas» e «políticas más» desvalorizando a matriz ideológica que sempre dá forma a umas e outras, deixa o PAN Pessoas-Animais-Natureza sem nada de significativo para dizer. Aparentemente sem que disso se aperceba, esta equidistância ideológica atira o PAN para os braços dos liberais: crença na possibilidade de uma democracia não opositiva, em que os diferentes interesses se podem conciliar em torno dessa ideia abstrata de «bem comum» e embarque na fantasia da conciliação sem discussão (e correção) das desigualdades sociais e na visão seráfica do mundo tal com o mundo era no tempo em que os animais falavam. O problema é que escolher entre um posicionamento à direita em alguns casos e à esquerda noutros não é o mesmo que escolher dar ao gato «Whiskas» num dia e «Friskies» no outro. Num momento em que as velhas causas do partido – defesa dos animais, do ambiente e da natureza – têm cada vez maior concorrência, o PAN parece incapaz de sair de um consenso que neutraliza essas lutas. À Inês Sousa Real revelada nos debates falta compreender que tudo se joga no modo como pensamos os modelos económico, social e político em que vivemos ou queremos viver, e a isso só se chega escolhendo um lugar de combate. Enquanto se recusar a fazer isso só resta ao PAN esperar que os animais voltem a falar e ganhem direito de voto para crescer como partido.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - diário digital - vila nova de famalicão

Obs: texto previamente publicado na página de facebook de Luís Cunha, tendo sofrido ligeiras adequações na presente edição.

Imagem: PAN

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Poderá ainda visitar os nossos anunciantes.

A visita aos sites dos anunciantes é grátis e poderá encontrar algum produto ou serviço do seu interesse. 

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.