Muito frio e condições meteorológicas desfavoráveis nos próximos dias irão afetar muitas pessoas e agravarão qualidade do ar – calcula-se que o frio esteja na origem de 25% das mortes durante o Inverno em Portugal

ZERO alerta para urgência de redução da pobreza energética

ZERO alerta para urgência de redução da pobreza energética

Pub

 

 

A associação ambientalista ZERO – Sistema Terrestre Sustentável alerta para a pobreza energética em Portugal e o facto de as temperaturas muito baixas previstas para os próximos dias conduzirem, muito provavelmente, a picos de poluição do ar. Este grau de poluição é particularmente grave pelas enormes emissões provenientes do uso de lenha em muitas habitações em zonas urbanas e rurais, devido ao vento fraco e à inversão térmica que acabam por limitar a dispersão dos poluentes.

Assim sendo, a ZERO considera que é fundamental ‘avançar com a estratégia para a reabilitação de edifícios públicos e privados, medida estruturante e de longo prazo que é necessário implementar e cujo avanço deve ter lugar em breve’. Da mesma forma, ‘a estratégia nacional de combate à pobreza energética que ainda não foi aprovada é um elemento essencial para lidar com a incapacidade de muitas famílias para conseguirem garantir conforto térmico nas suas casas’.

Partículas da queima de lenhas atingem pulmões em profundidade

Os efeitos das partículas inaláveis na saúde humana manifestam-se sobretudo ao nível do aparelho respiratório, dependendo da sua composição química, avisa a associação ZERO. As partículas em suspensão de maiores dimensões são normalmente filtradas, podendo estar relacionadas com irritações ao nível do nariz e das vias respiratórias superiores, e hipersecreção das mucosas. Já as partículas mais finas são normalmente mais nocivas, dado que atingem os pulmões em profundidade e passam para a corrente sanguínea, causando e/ou agravando doenças respiratórias e cardiovasculares, e até cancro do pulmão.

Queima de lenha deve ocorrer em situações especiais

Para evitar a poluição do ar em espaços fechados, a queima de lenha em lareiras deve ser feito recorrendo a recuperadores de calor tão eficientes quanto possível e com sistemas de redução das emissões de partículas ou através de equipamentos a pellets, evitando o uso de braseiras que podem provocar intoxicações por monóxido de carbono que, por sua vez, podem conduzir à morte.

Sem Estratégia Nacional de Combate à Pobreza Energética, ZERO apela às autarquias para apoiarem das famílias em pobreza energética

Com um parque edificado obsoleto, Portugal é, com frequência, apresentado como um dos países com níveis ‘muito altos’ de pobreza energética, apenas atrás da Eslováquia, Hungria e Bulgária, cujos níveis de pobreza energética são extremos, lembra a Associação.

A pobreza energética começou com uma definição muito simples, como: uma condição em que as famílias não conseguem aquecer as suas casas adequadamente. A definição mais consensual e ampla é a da incapacidade de obter um nível social e materialmente necessário de serviços energéticos domésticos.

Mais de 2 em cada 3 habitações possui baixa eficiência energética

De acordo com a ADENE, que tem por finalidade promover e realizar atividades de interesse público na área da energia e seus interfaces com outras políticas setoriais, cerca de 70% das habitações avaliadas em Portugal possuem uma fraca classificação energética, conforme o Sistema de Certificação Energética de Edifícios, situada nos escalões entre C e F.

O cenário nacional revela incapacidade de manter as casas quentes no inverno e frescas no verão, o que está relacionado com o peso elevado das faturas de energia no orçamento doméstico e com a utilização de equipamentos de climatização de baixa eficiência, como lareiras, aquecedores elétricos ou ventoinhas, estando, assim, mais sujeitas à poluição do ar.

Frio na origem de 25% das mortes durante o Inverno em Portugal

Em Portugal, o ar frio presente nas habitações estará na origem de quase 25 % das mortes no Inverno, sendo os idosos os mais afetados. Lembra, por isso, a associação ambientalista dirigida por Francisco Ferreira que, nos próximos dias, é fundamental um acompanhamento, principalmente pelas autarquias e serviços mais próximos, das famílias com maiores dificuldades para assegurarem um conforto minimamente adequado.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - notícias - informação - jornal - diário digital generalista de âmbito regional

Imagem: A. Caetano

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Visite também os nossos anunciantes.

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Conforto e aspecto natural – tendência de decoração para 2022

Remodelar uma Cozinha: os melhores materiais para utilizar em bancadas

Dicas para planear uma casa de verão de pequena dimensão

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Ambiente, Comunidade, Energia

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.