‘As citações não são ‘ipsis verbis’, mas caraças, vou conferir e digam-me se não vou isto que o homem disse. A não ser que eu esteja a ouvir mal. Se estiver, o mais certo é ser COVID. Lá terei que ficar à espera a ver que solução encontram para ir votar.’

Nas eleições legislativas estão todos COVIDados a votar

Nas eleições legislativas estão todos COVIDados a votar

Pub

 

 

Nas eleições legislativas, por força da COVID-19, é muito engraçado o que está a passar com esta história do votos dos cidadãos confinados ou em isolamento. Apesar de já termos tido uma eleição em pandemia, ninguém se lembrou atempadamente de que esta também o seria. Nem Governo, nem Parlamento, nem Comissão Nacional de Eleições (CNE), nem partidos, a ninguém ocorreu a necessidade de acautelar uma situação que, está bem de ver, não era assim tão imprevisível. O esquecimento não é engraçado em si mesmo, entenda-se. A berraria que vimos assistindo é que é impagável.

Soluções para votação de impedidos de votar atiradas ao vento

Os partidos aventam (aqui no sentido bem popular de atirar ao vento) soluções de pouco senso. O BE acha que se devia prolongar o horário de fecho das urnas, suponho que para receber fora de horas os COVIDados, quais almas penadas acobertadas pela sombra. Ao CDS ocorreu fazer a votação em dois dias, não se sabe bem para quê, talvez para estender por mais um dia a sua própria agonia de partido irrelevante. A criatura que põe os médicos na Ordem alembrou-se de que o voto eletrónico é que era coisa de valor, pelo que propôs a solução, convicto, quiçá, que esta votação não é diferente das que organiza lá na Ordem. Quanto ao Costa, como de costume, sacode a água do capote, enuncia os princípios e não dá uma única solução – mais ou menos o que foi fazendo na governação do país.

‘Querem lá ver agora que uma treta de isolamentozeco impede um cidadão de votar?!’

O momento mais fantástico desta pré-campanha para as eleições legislativas, no entanto, teve-o o porta-voz da Comissão Nacional de Eleições, um tal de João Machado, cujas ideias em nada desmentem o ar de maluco com que o Criador a bafejou. E daí, vendo bem, até que está certo. Quem o nomeou para a função (quem terá sido, santo deus, quem?!) e todos nós, contribuintes, que com os nossos impostos lhe pagamos, queremos que encontre respostas para estas eleições legislativas, não que descubra problemas. É isso mesmo que o bom do Machado nos dá: respostas! «Qual COVID, qual porra!?», pergunta ele. «Então não está na Constituição que o voto é um direito?! Querem lá ver agora que uma treta de isolamentozeco impede um cidadão de votar?!». E se alguém alvitra ao ilustre porta-voz que afinal, vendo bem, as pessoas que estão confinadas por alguma razão será, o herói da CNE arregala os olhos e explode: «É questão de avisarem. Um gajo vem e avisa: Estou com COVID, estou com COVID! Os outros afastam-se e pronto, ou prontos, ou lá como se diz agora. A CNE vai até disponibilizar umas sinetas que devem ser brandidas pelos eleitores pestíferos por forma a que o aviso seja mais eficaz».

Se estiver a ouvir mal, o mais certo é ser COVID

OK!, OK!, aceito que as citações não são ipsis verbis, mas caraças, vou conferir e digam-me se não vou isto que o homem disse. A não ser que eu esteja a ouvir mal. Se estiver, o mais certo é ser COVID. A assim ser, nestas eleições legislativas, lá terei que ficar à espera a ver que solução encontram para ir votar.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

Porto Sentido quer reincluir 60 sem-abrigo até ao final de 2022

Novo Megane E-Tech 100% elétrico está quase a poder ser encomendado

Obs: artigo previamente publicado na página facebook de Luís Cunha, tendo sido sujeito a ligeiras adequações editoriais na presente publicação.

Imagem: CNE/JTM – edVN

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Obs: envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do Autor

Luís Cunha

Professor universitário. Braga.

Comente este artigo

Only registered users can comment.