‘Aprofundar a garantia de continuidade na melhoria contínua das condições de vida’

Votar na Esquerda

Votar na Esquerda

Pub

 

 

Só há uma forma de segurar a Esquerda no Parlamento: votar na Esquerda!

Nunca o voto útil foi tão necessário quanto o é nas próximas eleições legislativas. Afinal, vivemos num tempo em que o eleitorado se tornou volátil e facilmente influenciável por acontecimentos avulsos manipulados, atos políticos distorcidos, comportamento político inadequado ao socialmente conveniente e/ou correto, entre outros, numa sociedade inconstante, mais atreita à hipocrisia da aparência do que propriamente a percepcionar as suas dificuldades quotidianas e combatê-las no espaço político usando a única arma que tem em democracia: o voto.

O voto foi permitido em Portugal, graças ao trabalho e luta constante da Esquerda política de então que conseguiu fazer uma revolução, em 1974, num tempo de difícil execução. Um modelo social construído em torno de interesses económicos e de segmentação social eram o mote de forma a que a submissão dos mais pobres fosse eficaz no objetivo de manter de fora da discussão política todos aqueles que com eles se identificavam na luta quotidiana contra a fome e por condições básicas, mas elementares, de subsistência.

 

Após esse facto – a instalação da democracia em Portugal -, a aposta política na reforma do modelo educativo de forma a preparar as populações para a vida e atitude política em democracia nunca aconteceu. Essa condição permitiu à Direita política continuar a manter os mesmos privilégios, mesmo em confronto com a nova realidade provocada pela livre concorrência – uma exigência do modelo económico capitalista -. Esta transformação colocou no seio social uma relação de trabalho de dispensa do operariado face à robotização, mas também dos trabalhadores intermédios na cadeia hierárquica da organização industrial e dos trabalhadores dos serviços, face à automatização dos procedimentos por via informática e do nivelamento salarial, tendo em conta a formação profissional média já de nível académico que o tratado de Bolonha impôs. Mesmo com os bacharelados, a formação centrou-se naquilo que são os interesses do mercado de trabalho disponível e pouco mais, nomeadamente naquilo que toca ao conhecimento no domínio da cultura geral.

Há, por isso, uma parte significativa de licenciados e outros que não sabem quem é o presidente da Assembleia de Freguesia ou da Junta da sua freguesia, do seu Município e Assembleia Municipal, inclusive da Assembleia da República e muito menos sabem quais são os modelos de organização política, económica e social que vigoram nos diversos Países da Europa…

A Filosofia foi reduzida a sumários e a Introdução à Política desapareceu.

Temos, assim, um nicho de iluminados que sabem de tudo sem saber de nada a não ser o resultado de pesquisas no Dr. Google, mas que controlam os corredores da informação e da formatação massiva dos procedimentos individuais em sociedade, numa vã tentativa de médio prazo para parar e reverter aquilo que é o avanço da História das civilizações.

Acontece que, dessa História, faz parte a democracia cujo suporte é a liberdade em todas as suas valências, nomeadamente a de expressão, tenha a forma que tiver que é coisa com a qual a direita política sempre lidou demasiado mal e, que, porventura, para cautelas futuras, até já pré-anunciou intenção de rever, ou revolucionar, a educação, ou o modelo educativo, se o seu partido político mais representativo – o Partido Social Democrata – ganhar as próximas eleições legislativas. Intenção proferida pelo presidente do PPD/PSD após a sua reeleição no último congresso do citado partido.

É um conjunto de intenções obtusas no atual contexto da evolução das civilizações, entre outras vontades de retrocesso social e político com incisão direta na vida das famílias que  vão a votos, em 30 de janeiro, em Portugal, a que acresce o perigo da castração da liberdade intelectual de cada indivíduo.

Em Portugal, o cidadão, vai usar a única forma política que tem de opção pelo regime que pretende para a sua Nação: o voto.

Em Portugal, um País em rotura social, política e económica, imposta por um Governo de direita que, em 2015, o seu povo estancou, por via democrática, em resposta à situação dramática em que vivia, a solução política que continua a ter para defesa intransigente dos seus direitos inalienáveis e manter todas as conquistas entretanto conseguidas é voltar a votar na Esquerda!

Votar na Esquerda, como forma de aprofundar a garantia de continuidade na melhoria contínua das suas condições de vida mas também, como forma de garantia de que o Serviço Nacional de Saúde estará capaz de continuar a conter a pandemia em curso e a sua nova variante Omicron que, sabemos, a direita política não responder cabalmente, como acontece em Países onde a saúde é um negócio pela via do lucro e que, a “diabolização” do Estado enquanto garante da estrutura económica e social do País não é a solução mais conveniente para o todo coletivo.

A Direita política também não convive bem com a justiça como sendo um direito de todos e, talvez também por isso, já tenha anunciado ter intenção em mexer nos apoios sociais sem clarificar quais.

As promessas feitas visam todas a promoção da sua reestruturação na senda do aumento das assimetrias sociais que quanto mais cavadas forem mais a perpetuam no poder.

Por isso, o voto consciente deve ser um voto na esquerda.

António Costa confia num ‘futuro com esperança’

Um novo PSD ou o mesmo PSD de sempre?

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página

Lembrei-me de um poema

Banalidades de um país varrido a salário mínimo

 

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Segurança Social disponibiliza declaração para apoio excecional à família

Famalicão a caminho de ver nascer novo parque lúdico e radical

Pub

Acerca do Autor

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Comente este artigo

Only registered users can comment.