O amor é mais, muito mais, que o que vemos, sentimos e temos

O amor é mais, muito mais, que o que vemos, sentimos e temos

Pub

 

 

1.

O amor é mais, muito mais, que o que vemos, sentimos e temos. Mais que o pensamos ser, desejamos e imaginamos. Tudo isso, e disso, certamente, ele é. Mas é mais, muito mais, tem que ser mais. Somos é pequenos para abarcarmos e sabermos da grandeza sua dele.

2.

Toda a gente diz do amor que o ama e quer, daquele só seu do desejo iluminado que procura. Toda a gente o diz ter para dar sem fim e receber, e quem o não, nem por isso deixa de o perseguir, a todo o custo e a correr, para o encontrar e ter nos escaninhos do seu coração agasalhado.

3.

Mas o que é o amor, que a todo o mundo inseguro afecta, em desassossego, porque o tem, mas mais dele quer, que é sempre pouco o que se tem? Ou, quando o não, porque sente a dor da sua ausência, num vazio duro, onde se alimenta e bebe amargo o peso da sua tristeza.

4.

Parece ser feliz pela madrugada quem de amor só a si mesmo se canta, sabendo do sol, sem saber da sombra, que o acompanha sempre, e onde o amor, às vezes, guarda enigmas e medos, se pode esconder, diluir e até perder.

5.

Ao cobrir o bosque, não bate o sol no fascínio só da árvore que o abraça nua, de amor se acende e só a si se canta. O amor do canto ressoa em toda a floresta e vibra, celebrando em festa sedutora a vida?

6.

Às vezes cantamos de amor só por nós no cimo das árvores. Mas o amor tem que ser mais, muito mais, do que aquilo que pensamos que sabemos. O amor é o sossego tranquilo das alturas, onde cantamos sem cairmos.

7.

O amor é mais, muito mais, que o que vemos, sentimos e temos. Mais que o pensamos ser, desejamos e imaginamos. Tudo isso, e disso, certamente ele é. Mas é mais, muito mais, tem que ser mais. Somos é pequenos para abarcarmos e sabermos da grandeza sua dele.

Pub

Categorias: Cultura, Poesia

Acerca do Autor

António Mota

Professor. Braga.

Comente este artigo

Only registered users can comment.