‘Terá o PSD ganho alguma coisa?’

Rui Rio: uma mão cheia de nada

Rui Rio: uma mão cheia de nada

Pub

 

 

Rui Rio ganhou as eleições primárias no seu Partido Social Democrata (PSD) e vai em meados de janeiro do próximo ano ao Congresso do seu partido fazer a festa da apoteose contra o velho aparelho do PPD que não só não conseguiu substituir ao longo de todo o tempo em que já é seu presidente como aquando das eleições autárquicas até apoiou candidatos dessa área de influência política já ao tempo seus opositores internos e atualmente presidentes e vereadores em autarquias como acontece na capital: Lisboa.

Conseguiu afastar alguns putativos candidatos a deputado nas listas concorrentes às anteriores eleições legislativas e afastará mais alguns nas próximas listas, mas não se livrou de figuras que ‘sacudiu’ para os salários dourados do Parlamento Europeu pagos por todos nós contribuintes financeiros e de onde emergiu Paulo Rangel, o seu opositor interno, apoiado pela estrutura dorsal do partido. Ainda assim, a este de nada lhe valeu, porque os ideólogos do modelo de eleição designado por primárias têm como objetivo primeiro anular o trabalho efetivo em favor do absentismo participativo. Uma evidência suficientemente conhecida por Rui Rio que, como já é seu costume na andança pela atividade política, se borrifou para o aparelho e fez uma campanha interna virada para as pessoas inscritas no seu PSD com direito a votar.

Paralelamente capitalizou a simpatia do eleitorado ao não ter feito qualquer oposição a um Governo estribado em conquistas sociais mas também no combate à pandemia que continua a assolar o mundo. Eleitorado esse a quem agora pede uma maioria absoluta já em 30 de Janeiro.

Conjuntura favorável

A conjuntura é-lhe favorável em face da previsível melhoria nos resultados da economia que depois de bater no fundo já só lhe resta melhorar, nem que seja ao cêntimo, a que temos de juntar o bolo inscrito no PRR – Plano de Recuperação e Resiliência mais os “trocos” sem juros a pagar e que lhe darão a folga necessária para privatizar setores vitais como são os negócios da saúde e da educação, entre outros.

Efeitos negativos

A tudo isto poderemos acrescentar o efeito negativo do constante massacre perpetrado por órgãos da comunicação social:

– ao Serviço Nacional de Saúde (SNS);

– à justiça mais concretamente ao Ministério Público;

– à escola pública através dos rankings de classificação e outros;

– ao Estado enquanto garante da estabilidade macroeconómica;

– outros.

Rui Rio e o ‘centrão’

Para selar toda esta panóplia conjuntural com “chave de ouro”, a figura de Rui Rio e o seu posicionamento político  “ressuscitou” todos os defensores do “centrão” ligados ao Partido Socialista (PS) que sempre tiveram essa solução como sendo a ideal para Portugal e poderem assim varrer qualquer entendimento com a esquerda que abominam.

Rui Rio apostou tudo; até o abandono da sua atividade política.

Ganhou.

Mas… terá o PSD ganho alguma coisa?

Ou terá hipotecado por mais uns quantos anos a possibilidade de vir a ser Governo?

Ou, quiçá, abriu espaço político para o crescimento da Iniciativa Liberal?

Em 30 de janeiro do próximo ano saberemos.

Uma ‘mão cheia de nada’ devida à paragem no tempo

Aquilo que me parece é que, de cambalhota em cambalhota, o PSD vai perdendo protagonismo político por manter o seu posicionamento social em torno da defesa dos interesses de uma classe média em vias de extinção e que arrasta consigo os seus defensores, onde se inscrevem muitos históricos do PS. Daqui, como resultado, sairá “uma mão cheia de nada” porque, ao não conseguirem acompanhar a evolução das sociedades, as suas atuais exigências quotidianas, entre muitas outras alterações nos paradigmas de vida societária e económica, dão mostra de terem parado no tempo que já não é o existente e muito menos será o do futuro.

‘Políticas do Governo vão determinar ‘o sucesso da recuperação do País’

O Partido Socialista e o Estado Social

A Geringonça

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

Imagem: DR (ed VN)

Espírito de Natal chega à Póvoa de Varzim

‘Braga é Natal’ regressa em 2021 com o melhor das tradições

A árvore e a iluminação de Natal estão de regresso a Famalicão

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Obs: envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Vinhos de Portugal registam excelente performance em ano difícil

O fim dos incentivos à desflorestação ilegal

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do Autor

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Comente este artigo

Only registered users can comment.