‘O baixo rendimento dos trabalhadores e a dívida das administrações públicas corresponde a cada vez pior saúde, educação e ausência de qualquer estratégia no sistema educativo e científico nacional’

Um país por construir

Um país por construir

Pub

 

 

Em 2020, 52% dos que trabalhavam em Portugal (mais de 2 milhões e 100 mil) traziam para casa menos de 900 euros líquidos. Só 1,9% ganhavam mais de 2500 euros por mês. Portugal tem 47% de pobres antes das transferências sociais. Ou seja, quase metade da população depende de formas assistencialistas para sobreviver! Um milhão de pensionistas recebe menos de 300 euros por mês. 35% da riqueza criada no país pelos trabalhadores vai para 4 milhões de trabalhadores, e 41% para 224 mil que vivem de rendimentos do capital. Em 2021, 56,6% dos impostos serão impostos indiretos, o mesmo valor de 2011. São os impostos mais injustos, que penalizam os mais pobres, por serem regressivos – paga mais quem ganha menos. Mais de 700 mil pessoas em Portugal recebe o salário mínimo. O Prof. Pereirinha, no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), calculou o salário mínimo real (rendimento adequado) – ou seja, um cabaz para o qual se aufere o mínimo para viver e repor a força de trabalho, alimentação, habitação, isto em valores mínimos, daria cerca de 1000 euros.

O salário mínimo, quando foi criado, correspondia a um cálculo médio dos gastos de reprodução dos trabalhadores e suas famílias – hoje ele não cobre o mínimo. Temos assim mais de metade da população que trabalha que não recebe o mínimo para viver (recebe abaixo de 1000 euros). Se juntarmos os 800 mil desempregados (calculando os oficiais e os que deixaram de procurar emprego) e os pensionistas, temos mais de 70% da população a viver abaixo do mínimo real. Entre 30 a 60% dos trabalhadores em média encontra-se em situação de desgaste, burnout ou sofrimento no trabalho. Entre 2006 e 2008 diminui de 52,3% para 48,6% a percentagem do salário médio pago aos portugueses em relação ao salário médio por hora na Europa. A remuneração horária bruta toral era em junho de 2020 6,05 euros. Em 2020 a dívida das administrações públicas correspondia a 160% do PIB. Tudo isto corresponde a cada vez pior saúde, educação e ausência de qualquer estratégia no sistema educativo científico nacional. Não há um debate sobre o que produzimos, como produzimos, para quem produzimos.

Tempo de receber novas estações, tempo de mudança

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página

CGTP lembra sofrimento das mulheres pela violência de todos os dias

O fim dos incentivos à desflorestação ilegal

Imagem: Rob Lambert / Unsplash

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Dez (ou onze) curiosidades sobre José Saramago

Passos Zamith distinguido em festival de cinema indiano

Pub

Acerca do Autor

Raquel Varela

Raquel Varela é Historiadora, Investigadora e professora universitária/ Universidade Nova de Lisboa /IHC e Fellow do International Institute for Social History (Amsterdam). Foi Professora-visitante internacional da Universidade Federal Fluminense. É coordenadora do projeto internacional de história global do trabalho In The Same Boat? Shipbuilding industry, a global labour history no ISSH Amsterdam / Holanda. Autora e coordenadora de 25 livros sobre história do trabalho, do movimento operário, história global. Publicou como autora 51 artigos em revistas com arbitragem científica, na área da sociologia, história, serviço social e ciência política. Foi responsável científica das comemorações oficiais dos 40 anos do 25 de Abril (2014). Em 2013 recebeu o Santander Prize for Internationalization of Scientific Production. É editora convidada da Editora de História do Movimento Operário Pluto Press/London e comentadora residente do programa semanal de debate público O Último Apaga a Luz na RTP. Entre outros, autora do livro Breve História da Europa (Bertrand, 2018).

Comente este artigo

Only registered users can comment.