Algumas formas de violência contra as mulheres passam despercebidas, em especial nos locais de trabalho

CGTP lembra sofrimento das mulheres pela violência de todos os dias

CGTP lembra sofrimento das mulheres pela violência de todos os dias

Pub

 

 

A CGTP-IN assinala, esta quinta-feira, 25 de Novembro, o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, com uma tomada pública de posição, recordando que independência económica das mulheres actua como uma protecção contra essa violência, pelo que considera ser necessário “atribuir conteúdo objectivo a esta [mesma] data, através de medidas, acções e políticas concretas que combatam as causas e as origens das situações de violência contra as mulheres”.

Lembrando o dia em que, no ano de 1960, as três irmãs Mirabal, activistas políticas na República Dominicana foram assassinadas pelo regime ditatorial de Rafael Trujillo, razão pela qual a Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu passar a assinalar a data desta forma, a central sindical reclama que:

  • se promova a emancipação e igualdade das mulheres no trabalho e na vida;
  • se combata a precariedade e a insegurança no emprego;
  • se acabe com a desregulação dos horários de trabalho e se generalize o trabalho por turnos e aos fins-de-semana, obstaculizando a conciliação do trabalho com a vida familiar e pessoal.

CGTP luta pela eliminação de formas de violência sobre as mulheres no trabalho, mas também na vida

Entendendo que “não é possível haver desenvolvimento, paz ou progresso quando as mulheres se confrontam com situações diversas de desigualdade, discriminação e violência física e psicológica, que ocorrem no espaço público e privado”, a CGTP-IN aproveita a ocasião e manifesta-se a favor de acções e intervenções concretas, para que as diversas formas de violência contra as mulheres sejam combatidas e eliminadas no trabalho e na vida.

Algumas formas de violência contra as mulheres passam despercebidas

Embora, em Portugal, esta data esteja geralmente associada ao combate à violência doméstica, que constitui, de facto, um problema grave com expressões também no mundo do trabalho, a CGTP-IN recorda que existem outras formas de violência contra as mulheres que tendem a passar despercebidas, nomeadamente:

  • elevado nível de desemprego;
  • precariedade elevada (em especial, das jovens trabalhadoras);
  • pobreza laboral (são as mulheres que auferem maioritariamente o salário mínimo nacional e baixas pensões de reforma);
  • discriminações salariais e desvalorização das actividades profissionais e das qualificações das mulheres;
  • pressão, intimidação e assédio no trabalho sob diversas formas;
  • persistência de doenças profissionais que afectam maioritariamente as mulheres; e
  • tentativas de legitimar a exploração, a violência e a mercantilização do corpo da mulher, através da legalização ou regulamentação do negócio da prostituição.

Assédio no trabalho: e se o local de emprego passa a ser um campo de batalha?

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página

#EuSobrevivi quer mitigar crime público de violência doméstica

A ironia do destino do polícia António Doce

Imagem: Volkan Olmez / Unsplash

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade, entre outros.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta. A melhor forma de o fazermos é dispormos de independência financeira.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os seus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.