Portugal deixa de utilizar o combustível mais poluidor em termos de emissões de gases com efeito de estufa causadoras das alterações climáticas

Portugal encerra Central do Pego e termina com energia a carvão

Portugal encerra Central do Pego e termina com energia a carvão

Pub

 

 

A queima de carvão deixou de fazer parte das opções na produção de eletricidade em Portugal. Apesar de licenciada para funcionar até ao final do mês, a Central Termoelétrica do Pego esgotou o estoque de carvão e encerrou a atividade 11 dias antes do fim do prazo previsto. A ZERO – Sistema Terrestre Sustentável regozija-se e lembra que esta data histórica permanecerá como um alerta para a necessidade de planear antecipadamente e assegurar uma transição energética justa para o país rumo à neutralidade carbónica em 2050 ou desejavelmente antes.

Portugal deixa, assim, de utilizar o combustível mais poluidor em termos de emissões de gases com efeito de estufa causadores das alterações climáticas, antecipando um objetivo que estava inicialmente traçado para 2030.

Deixar de usar carvão na produção de eletricidade é um elemento crucial da descarbonização que recebeu destaque e foi polémico na COP26 que terminou no passado fim de semana pela recusa de alguns países em terminar com o uso deste combustível.

Durante muitos anos, a Central Termoelétrica do Pego foi a segunda maior responsável pelas emissões de dióxido de carbono em Portugal, logo depois da Central Termoelétrica de Sines cujo encerramento ocorreu em janeiro deste ano.

Entre 2008 e 2019, a Central do Pego representou, em média, anualmente, 4% das emissões totais nacionais de gases com efeito de estufa (GEE), variando entre 1,6 e 5,3% em função da produção realizada (2019 é o último ano com emissões totais nacionais disponíveis). Em termos absolutos, a média anual foi de 4,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente.

O nosso País deverá agora registar uma quebra acentuada de emissões de carbono, até se atingir uma solução 100% baseada em fontes renováveis. A central a carvão do Pego era também uma fonte significativa de emissão de diversos outros poluentes, como os óxidos de azoto, dióxido de enxofre, partículas e metais pesados.

ArgaTintas participa na primeira Comunidade Industrial de Energia

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

Covid-19, Poluição Atmosférica e Energia Solar

Imagem: PwL by Vítor Borges

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Famalicão poupa 40 por cento na iluminação pública

Pub

Categorias: Ambiente, Economia, Energia

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.