Sabores

À Portuguesa com… Virgílio Nogueiro Gomes

À Portuguesa com… Virgílio Nogueiro Gomes

Pub

 

 

Lembro-me do momento em que me cruzei com o Virgílio Nogueiro Gomes e nos conhecemos. Em 2014 foi-me recomendado por um colega transmontano, quando andava à procura de um especialista que viesse falar sobre doçaria conventual de Trás-os-Montes, num seminário sobre o mesmo tema que estava a organizar em Tibães.

Chegou, falou e encantou. Fresco, falador, bem-disposto e sempre curioso. Trocámos contactos. Passei a receber as suas crónicas. Ficou um telefone que se liga de vez em quando para ouvir uma opinião, saber de um restaurante, pedir um conselho, dizer um olá! Sempre me atendeu com um sorriso e uma palavra amiga.

Tenho hoje alguns dos seus livros na minha mesa de trabalho e folheio-os com regularidade. Claro que não podia deixar de ter este. O “À portuguesa: receitas em livros estrangeiros até 1900” já anda nas suas crónicas há alguns anos e tem-me aberto o apetite.

A nossa identidade alimentar

Este livro, sem grandes pretensiosismos académicos e sem o espartilho das citações e das notas de rodapé, apresenta o rigor necessário que se exige em textos do género, citando as fontes, sempre que é necessário, no correr do texto.

Quando mergulhamos neste tão interessante conjunto de receitas que reflectem “aquilo que o olhar do outro projecta sobre nós”, como no prefácio nos diz Inês Ornellas e Castro, não deixamos de nos interrogar sobre a nossa identidade alimentar. Afinal há pratos à portuguesa que nunca o foram e onde nós nada nos revemos. Ou será que foram?

Cozinheiros europeus seguiram alguns gostos dos portugueses

Depois das explicações iniciais, onde o autor nos abre a porta para uma mesa de requinte, iniciamos a leitura pausada e cronológica sobre os muitos cozinheiros europeus que, ao longo de 300 anos, foram registando receitas que entendiam ser da cozinha portuguesa. O autor, para além de nos apresentar o cozinheiro, procura explicar a razão da existência de tais receitas nos seus livros de cozinha. Os métodos? Os ingredientes? As ligações familiares ou diplomáticas são algumas das explicações. Mas há várias estranhezas…

Salta a atenção a presença da laranja, do tomate e dos óbvios vinhos do Porto e da Madeira. Nada de surpreendente. A laranja tem desde muito cedo uma identificação portuguesa. Foi primeiro Ibérica, trazida pelos Árabes, mas no século XVI fomos nós que oferecemos as laranjas doces ao mundo ocidental e as disseminámos por aí. De tal maneira o fizemos que, ainda hoje, há países onde o nome do fruto tem designações próximas da palavra Portugal (Portocalo, Burtugal, Portokali…). E fomos também nós que aprendemos a valorizar a flor da laranjeira, destilando-a e aromatizando com ela toda a doçaria portuguesa. Claro que os cozinheiros europeus também seguiram este gosto. Observavam as orangeries nos jardins dos seus Senhores e experimentavam, com curiosidade, as laranjas, cada vez mais doces, que iam chegando à cozinha, oriundas deste nosso cantinho.

Quanto ao tomate, pomme d’amour como lhe chamavam os franceses, chegou também primeiro à Península, vindo das Américas, e por cá foi ganhando gosto à mesa. Nos inícios do século XVIII já Francisco Borges Henriques fazia várias receitas com ele e ia dizendo que dava gosto à sopa de peixe, ao arroz e tantos outros cozinhados. Sobre o “molho de tomate” acaba mesmo por concluir que dava uma “boa mostarda”, isto é, tal como o clássico molho de mostarda, que estava sempre numa mesa portuguesa para acompanhar a carne ou o peixe, agora, o molho de tomate podia-o substituir com sucesso. Mudam-se os gostos…

Algumas iguarias surpreendentes e desconhecidas

Não encontramos receitas de bacalhau e de sardinha! Óbvio. Estamos na alta cozinha. Só o século XX irá trazer o bacalhau para a mesa das elites.  A sardinha… essa talvez no século XXI! Contudo, o autor fala-nos de uma surpreendente receita de bacalhau que localiza num dicionário francês, já no século XX.

Está lá, no entanto, o arroz-doce, na obra de Moutiño (1611), e de Francesco Gaudenzio (1705); o cozido à portuguesa ou sopa à portuguesa, que já cá anda desde o século XVII; os ovos-moles, nas suas diferentes variantes, e tantas outras iguarias que até o mais conhecedor destas artes, como é o Virgílio, desconhece.

Sugestão de Natal

É só ler o livro e percorrer esse olhar que nos foi envolvendo ao longo dos séculos. As explicações vão surgindo e vão-nos agarrando à leitura.

Gostei do Livro! Mais um para guardar com carinho! Parabéns, Virgílio! Uma boa sugestão de Natal!

à portuguesa - virgílio nogueiro gomes - marcador - gastronomia - história - livro

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

Numa cozinha do século XVIII com Francisco Borges Henriques

A harmonia da cozinha popular no Arroz com feijão

Vamos a Braga comer um pudim?

Imagem: Marcador

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

Pub

Acerca do Autor

Anabela Ramos

Historiadora.

Comente este artigo

Only registered users can comment.