‘Se eu chegasse lá acima, assim com a vista afinada e o coração esperançoso, os músculos bem rijos de cabra montesa, ainda me punha a suspirar pelas belezas ao longe, ainda me perdia’

O paraíso é realmente um sítio perigoso

O paraíso é realmente um sítio perigoso

Pub

 

 

Se eu fosse um cidadão competente e atento, responsável, enfim, pelas partes do destino que me cabem, já tinha ido lavar os óculos há muito. Deixei-me ficar nesta lassidão de poeira e restolhos da respiração agarrados ao vidro e deve ser por isso que o dia luminoso, azul e pousado como um sacramento ou um rijo pernil alvoroçado num pouco de vinho e algumas manadas de sal, me parece meio fosco entre impressões londrinas, obras nos prédios, bulícios surdos e outras maquinações de natureza pensativa.

Às vezes acordamos com estes memoriais a pingar do nariz, estas sombras escusadas e inconvenientes. A verdade, no entanto, é que se eu for lavar os óculos, a minha vida poderá mudar um pouco. Fico logo a sorrir da beiça e das sobrancelhas, olho à janela e vejo o caminho que segue no pequeno bosque encantado. Logo a seguir volto para trás. Esqueci-me de trazer as botas e agora o terreno parece bastante molhado. São nascentes que aparecem de todo o lado, nascentes e flores, tufos, solidões, cores violáceas misturadas com o amarelo, alguma impressão de branco sujo quase desmaiado.

Regresso a casa. Tenho muito que fazer. Canhotinha na lareira, aqueço as mãos e de vez em quando espreito a ver o dia a passar. Agora, sim, está na altura de lavar os óculos. Não me ocorre nada para dizer. Pode ser que o exercício, a água a cair, a sensação do vidro ensaboado, a massagem cuidadosa com a folha de papel, pode ser que isso traga algum alento. Logo se verá e já se vê alguma coisa.

Fui e vim. Sinto-me um pouco mais pasmado. Deve ser o brilho das coisas. A cortina do escritório cheia de sol. Havia de passar uma borboleta lá fora e eu a pensar que era um pequeno dragão perdido no jardim. Põe-te a pau, bichinho, olha o melro!, mas a esta hora o melro já passou a cancela e depois naqueles plainos molhados por tantas águas crescem flores por um dia e amanhã mudam de sítio.

Da próxima vez não me posso esquecer das botas. Gostava tanto de espreitar aquele penedo mais alto. Sei lá o que estou a perder, mas eu não quero salvar-me. Se eu chegasse lá acima, assim com a vista afinada e o coração esperançoso, os músculos bem rijos de cabra montesa, ainda me punha a suspirar pelas belezas ao longe, ainda me perdia. O paraíso é realmente um sítio perigoso. A gente fica ali a pasmar e os óculos outra vez cheios de poeira, o que vale é que da próxima levo as botas e posso chegar à beira do ribeiro. Ó, sim, massajar as lentes com musgo e hortelã e então é que eu vejo.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - finanças - europa - prr - joão leão - primeiro pagamento

Editada edição comemorativa da Viagem a Portugal de José Saramarago

Quem é que passou por aqui, quem foi?

Emanuel Jorge Botelho: uma sombra no risco da noite

Imagem: Marcelo Marques (edVN)

VILA NOVA, o seu diário digital. Conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a VILA NOVA é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a VILA NOVA tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a VILA NOVA pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking, multibanco ou paypal.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

‘Mais do que salvar o planeta, é [preciso] salvar-nos a nós próprios como espécie’

Pub

Categorias: Crónica, Literatura

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.