Casal de artesãos do vime expõem no Posto de Turismo de Braga

Casal de artesãos do vime expõem no Posto de Turismo de Braga

Pub

 

 

O Posto de Turismo de Braga acolhe até ao próximo Domingo, 22 de Agosto, uma exposição de cestaria dos artesãos Rosa e Manuel. A mostra dá a conhecer a arte ancestral de trabalhar o vime. Na sua oficina, em Braga, o casal de artesãos produz peças com formas e dimensões distintas, fazendo uso de técnicas específicas daquele que é um ofício em vias de extinção.

Fibra vegetal, o vime é resistente, flexível e de grande durabilidade. Um material sustentável, não poluente e reutilizável. Depois do processo de tratamento, os artesãos constroem a base do cesto, dando-lhe forma, tecendo vara a vara.

Desde a preparação do vime à feitura de um cesto, este é um trabalho feito de tradição. Nascida numa família de cesteiros, Rosa preserva até hoje o “saber-fazer” do seu mestre e tio Januário. Quando casou, foi professora do marido, Manuel. Os dois dedicam a vida a esta arte, produzindo peças que são, na sua maioria, exportadas para o mercado internacional.

As peças produzidas são de variedade heterogénea: produtos de puericultura (como berços, alcofas e cestos para cosméticos de bebé); bolsas para marcas de moda; cestos para decoração; cestos/caixotes para bicicleta; cestos para pão e para a sua fermentação; cestos para lenha; cacifre de pesca; cestas de piquenique, entre outros. Parte integrante das sociabilidades minhotas, a cesta ia à romaria, à vindima, ao mercado, à desfolhada. Saberes e técnicas ancestrais, que são património da nossa gente.

rosa e manuel - cestaria - vime - artesanato - braga - posto de turismo - saber fazer - dr

Material resistente e sustentável

“Os cestos começam sempre pela preparação do vime e pela construção de uma forma em madeira específica. O vime é uma fibra vegetal resistente e flexível simultaneamente, o que lhe confere grande durabilidade. No entanto, antes de o trabalhar, é necessário torná-lo mais maleável, seja para o moldar directamente, seja para o lascar. Por isso, as varas devem ficar de molho em água durante algumas horas antes de se dar início ao trabalho. Pode ser utilizado inteiro nas peças maiores e também naquelas das quais se requer mais resistência. Nas peças mais pequenas, ou que não vão ser sujeitas a grandes esforços, é possível rentabilizar o vime rachando uma vara em várias partes. No final, decidir que tipo de vime se vai utilizar, é uma questão de equilíbrio entre o tamanho final da peça, o pormenor do entrançado executado e o nível de resistência que se pretende. Estando o vime preparado, o cesto começa a ser construído pela base, que é depois fixa na forma de madeira, para que o vime possa começar a ser entrançado. Vara a vara, assim cresce um cesto”, descreve a Saber Fazer, iniciativa multifacetada  que se dedica à investigação, valorização e divulgação das técnicas de produção artesanal e semi-industrial em Portugal.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.vila nova online - 1ª página - cestaria - cime - artesanato - rosa e manuel

Imagens: (0) M BRG, (1) Saber Fazer

VILA NOVA Online: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 — BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedro [email protected]

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Artesanato | Prémio Carreira distingue Maria Inês Ferreira na Mostra de Artesanato de Barcelos

Pub

Categorias: Artesanato, Braga, Tradição

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.