Mia Couto conta como começou a escrever.

‘Eu percebi que esse era o meu lugar: o de ficar calado’

‘Eu percebi que esse era o meu lugar: o de ficar calado’

Pub

 

 

No segundo dia da sua visita a Esposende para receber o Prémio LiterárioManuel de Boaventura, em conversa com Benjamim Pereira e Sérgio Guimarãesde Sousa, Mia Couto satisfez, entre outras, a curiosidade manifestada por tantos dos seus leitores atravésde uma simples pergunta: “Como se tornou escritor?”

De forma sincera, o recém-galardoado escritor deixou desde logo um aviso: “Hoje darei uma resposta. Se me fizerem a mesma pergunta amanhã, eu responderei outra”. Contudo, o escritor moçambicano não hesitou em apontar os seu pais como responsáveis. Como o próprio dizia, era “filho de um poeta e de uma contadora de histórias”. A menção à sua família não podia faltar. Afinal de contas, a sessão de sábado passado era dedicada à sua obra “Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra“.

Mia Couto, escritor moçambicano

Mia Couto e o professor Sérgio Guimarães de Sousa, membro do júri do Prémio Literário Manuel Boaventura @ Pedro Maia Martins / Vila Nova Online

O autor africano era o mais novo e “mais silencioso” de três irmãos, o que levava os seus pais a “chamarem-no carinhosamente de morcão”. Esse silêncio levou Mia Couto a “perceber o seu lugar: o de ficar calado”. Foi assim que começou a “escutar e ouvir as histórias” mais tarde transpostas para as suas obras. Por outro lado, “a ausência dos seus parentes que viviam em Portugal” e “a sua timidez com as raparigas” geravam um sentimento de solidão. Para compensar esse estado, o escritor moçambicano “criava um novo Mundo no papel, uma forma de ser feliz”. O próprio reforça isso ao afirmar que “em momentos de solidão, todos acabamos por ser criadores”.

Orgulho do Prémio Camões, mas com muita calma
Mia Couto, escritor moçambicano

Mia Couto @ Pedro Maia Martins/Vila Nova Online

A recente atribuição do prémio literário esposendense levou o Professor Sérgio Guimarães de Sousa a interrogar Mia Couto sobre o Prémio Camões. O autor de “O Mapeador de Ausências” foi o vencedor em 2013. Oito anos depois, o escritor moçambicano afirma estar “orgulhoso por o ter recebido”, mas com limites. Embora “considere os prémios como algo positivo”, Mia Couto vê com maus olhos a conduta de alguns escritores. “Muitos fazem coisas só a pensar nos prémios”, acrescenta o autor africano. O autor de “O Mapeador de Ausências” adopta uma postura diferente dos seus colegas de profissão. “O prémio que eu quero é encontrar alguém que leu realmente um livro meu e ficou comovido, tocado”, afirma o escritor. Mia Couto acrescenta ainda que “escrever não é só a parte da escrita propriamente dita:  significa também estar disponível, aberto, saber escutar, olhar para as pessoas da forma contrária à que nos foi ensinada”.

A encontro pode ser visto na íntegra em aqui.


VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

*

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

Categorias: Cultura, Esposende, Literatura

About Author

Pedro Maia Martins

Esposendense de nascimento, barcelense de criação e conimbricense por hábito. Licenciado em Jornalismo e Comunicação pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Colaborou no passado com o Jornal Universitário de Coimbra - a Cabra e com a Revista Via Latina - Ad Libitum. Foi o último editor de País e Mundo do referido jornal. Colabora neste no momento com a Vila Nova Online e a Revista Bica.

Write a Comment

Only registered users can comment.