Escritor moçambicano aconselha jovens a procurarem outra profissão além da escrita

“É muito difícil viver apenas da escrita”, afirma Mia Couto

“É muito difícil viver apenas da escrita”, afirma Mia Couto

Pub

Mia Couto afirma que “é muito difícil viver apenas da escrita”. Na manhã do Domingo passado, o escritor moçambicano encontrava-se presente numa tertúlia dedicada à sua obra “Mar me Quer”. No último dia da sua visita a Esposende, o autor aconselhou os jovens a “procurarem outra profissão além da escrita”. Nesse sentido, o vencedor do Prémio Literário Manuel Boaventura apontou para o seu próprio exemplo. Enquanto biólogo, Mia Couto consegue “ter um rendimento mais seguro”, possibilitando uma maior dedicação à escrita. Em contrapartida, a generalidade dos escritores “recebe apenas dez por cento das vendas dos seus livros”. De acordo com o autor, “o dinheiro restante é tripartido”. E quem fica com esses três terços? Editores, distribuidores e livreiros.

De acordo com o escritor, a outra alternativa seria “viver com muitas contingências”. Essas dificuldades existem em todo o sector cultural. O autor moçambicano aponta para o exemplo de uma das suas filhas, que trabalha como actriz. “Ela aceitou que nunca terá uma vida muito confortável”, afirma Mia Couto. Além disso, o escritor moçambicano aponta para o exemplo de amigos seus do teatro e do cinema. “São muitos os que  têm de fazer anúncios a champôs para sobreviver”, refere.

 

Conhecer o outro

Mia Couto @ Pedro Maia Martins / Vila Nova Online

As questões coloniais e pós-coloniais dominam a obra de Mia Couto. Foi por esse motivo que o escritor moçambicano não hesitou em afirmar que o racismo também existe no continente africano. De acordo com o autor, “as pessoas com a pele mais escura são consideradas menos bonitas, são desvalorizadas”. “Mesmo em Moçambique, diz-se que quem é muito escuro é feio”, acrescenta. Apesar de “os governantes do país serem negros”, o preconceito continua a existir. De acordo com o autor africano, “todos fomos educados de forma a identificar os outros pela cor da pele”. “Há séculos que nos ensinam a ver o outro como diferente e a ter medo dessa diferença”, afirma.

Para o também biólogo, a melhor forma de combater esse preconceito é “conhecer o outro”. Nas suas palavras, “temos de entender que existem culturas diferentes e com valores diferentes. Devemos estar abertos a perceber essas culturas”.

 

A origem do nome “Mia”

Os leitores de António Emílio Leite Couto conhecem-no como “Mia”. Um nome aparentemente feminino, que já trouxe dissabores aquando da sua visita aos Estados Unidos. Os seus anfitriões norte-americanos “pensavam que tinham convidado uma mulher negra, mas no final receberam um homem branco”. Mas qual será origem dessa alcunha? De acordo com o próprio escritor, “tudo começou quando tinha dois ou três anos”.  A sua mãe tinha o hábito de “dar comida aos gatos que iam para enorme varanda” da sua casa. Como o pequeno António costumava dormir no meio dos gatos e brincar com eles, começou “a achar que era um deles”. Em nome do miado dos gatos, o futuro escritor pediu aos seus pais para lhe chamarem “Mia”. Assim passaram a chamá-lo, “tanto em casa, como na escola como na rua”. De acordo com o próprio, “agora não posso largar este nome”.


VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

*

Publicidade | VILA NOVA: deixe aqui a sua Marca

Pub

About Author

Pedro Maia Martins

Esposendense de nascimento, barcelense de criação e conimbricense por hábito. Licenciado em Jornalismo e Comunicação pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Colaborou no passado com o Jornal Universitário de Coimbra - a Cabra e com a Revista Via Latina - Ad Libitum. Foi o último editor de País e Mundo do referido jornal. Colabora neste no momento com a Vila Nova Online e a Revista Bica.

Write a Comment

Only registered users can comment.