Espetáculo teve por base os dois discos da cantora: o mais recente ‘Liwoningo’ e o primeiro ‘Mati’

Selma Uamusse apresentou-se em grande no Ciclo Terra de Guimarães

Selma Uamusse apresentou-se em grande no Ciclo Terra de Guimarães

Pub

 

 

Foi em Macua, dialecto da região de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, que Selma Uamusse, pelo seu forte simbolismo, fez questão de começar a sua primeira actuação, em Guimarães, e no CIAJG, em nome próprio, na última sexta-feira, dando início ao novo CICLO TERRA (temporada 21), uma organização da Capivara Azul, com apoio do Município de Guimarães. A cantora pretendeu, assim, alertar para a situação actualmente vivida no terreno pelas populações em fuga da região.

Liwoningo foi dissertado num ritmo bem ao estilo da activa moçambicana, recentemente mãe pela 3ª vez, o que não se notou em palco, atendendo ao uso de sapatos de salto bem altos. Devido à sua reduzida estatura, quando descalça, Sela Uamusse enche e preenche muito bem a “sua casa/nossa casa”, a arena onde canta, dança, transmite e provoca emoções.

Em 2020, Selma Uamusse lançou o seu segundo disco em nome próprio: Liwoningo, no qual se centrou este espetáculo. Em Chope, outra língua tradicional de Moçambique, significa luz. O disco foi produzido por Guilherme Kastrup, produtor premiado com um Grammy pelos álbuns da aclamada Elza Soares. Este é um disco que acentua o património imaterial Africano, de Moçambique, uma africanidade que continua a inspirar letras e melodias, mas que se mistura por esse mundo fora, em temas e arranjos, uns mais próximos da tradição do folclore, outros que vagueiam entre o electrónico, o rock, o afro-beat e o experimental, mantendo sempre como lugar comum a potência do ritmo, da língua ou das sonoridades africanas, abrindo espaço para outras influências, da música portuguesa e brasileira.

Dois momentos mais em destaque neste concerto brilhante: o tema composto por Tó Trips – Pega lá miúda, usa-o -,bem ao estilo do músico dos Dead Combo, e a coragem do nunca esquecido Mati, um parto difícil, mas muito bem conseguido que deu o nome ao 1º álbum da cantora, com uma interpretação muito emotiva.

Em grande, SELMA TITO! Nós agradecemos. E obrigado, músicos que suportam as suas ‘tropelias saudáveis’.

Alinhamento: Khanimambo (Liwoningo), Mama, No Guns, Maputo, Hoyo Hoyo, Ngono Utana, Vuna Hina, Xikwembu, Song of Africa, Funkier than a Mosquitos Tweeter, Hoyo Hoyo; encore: Mati.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Imagens: AM

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 — BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

Categorias: Cultura, LifeStyle, Música

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.