‘O vírus não é imaginado, infelizmente, mas a comunidade que pensa que ele conhece fronteiras é’

‘Comunidades Imaginadas’

‘Comunidades Imaginadas’

Pub

 

 

Benedict Anderson chamou às nações “comunidades imaginadas”.

Poucos terão reparado que as fronteiras regressaram à Europa neste ano, com bloqueios que nos fazem lembrar as filas para passar Espanha antes de 1986, sendo que não fomos preparados com cervejas e caramelos para passar o tempo de espera. Por outro lado, a digitalização torna tudo frio, já não há tempo para observar o guarda fronteiriço e as suas prováveis indiossincracias.

Vivi e trabalhei na Alemanha, agora na Suiça, em plena pandemia, a viajar todas as semanas por razões laborais. O que tenho assistido por esta Europa fora é digno de registo, sobretudo agora que em plena Cimeira Social se afirma a solidariedade europeia, todos a uma só voz.

Na Europa solidária há de tudo um pouco, só não há dois países com as mesmas regras: há países que pedem PCR, outros só antigénio; outros 48 horas, outros 72; há os que obrigam a quarentena e outros que não; uns 10 dias, outros 14; há os, como Portugal, que impedem o acesso dos próprios residentes ao país se não tiverem PCR. Claro que muitos há que não fazem tal aos seus próprios cidadãos! – o bom aluno nunca falta às aulas. Vi em Madrid vários portugueses ficarem na fila sem embarcar para o seu próprio país… desde que seja por ar – por terra não há PCR, Dra. Graça -; há na Europa os que verificam ostensivamente cada papel, um QCode, o PCR, o CC, o formulário, outros em que passamos como se nada fosse; há os que decidem que só voamos com máscara cirúrgica, outros com F2, outros ainda pode ser de pano – imagino o que será a Europa social solidária se não alcançamos ainda a famosa PMC (Política Máscara Comum).

Evidentemente que todas as variantes na Europa estão espalhadas porque há milhões de pessoas que vivem num país, trabalham noutro, as cadeias logísticas estão interligadas e há milhares de casamentos mistos. Somos europeus. Pedir um PCR a quem vem de Madrid é o mesmo que o pedir a quem vem do Porto.

O vírus não é imaginado, infelizmente, mas a comunidade que pensa que ele conhece fronteiras é.

É URGENTE acabar com o terrorismo e promover a paz em Moçambique

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 — BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Aulas de Dança ‘online’? É possível e na maioria dos casos é grátis

Pub

Categorias: Crónica, Pandemia, Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.