‘Importa conhecer o ponto de situação, bem como escrutinar procedimentos na construção de dezenas de obras ilegais na área envolvente’

Bloco preocupado com obras ilegais na Caniçada

Bloco preocupado com obras ilegais na Caniçada

Pub

 

 

Na sequência da constituição de 31 arguidos em dois processos referentes a construções ilegais na área envolvente da albufeira da Caniçada, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda apresentou, na Assembleia da República, um requerimento para ouvir os titulares de cargos públicos e políticos e as entidades competentes em matéria de fiscalização e licenciamento de obras na região. A proposta foi aprovada pela Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, na reunião realizada hoje, dia 5 de Maio.

No documento, os deputados do Bloco de Esquerda eleitos pelo circulo de Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, afirmam que “apesar de este caso ter já seguido a via judicial, há esclarecimentos que devem ser prestados à Assembleia da República”.

Como foi possível?

Por isso, os deputados requereram a audição do Inspetor Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT), do Presidente do Conselho Diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente, do Presidente do Conselho Diretivo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), do Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), do Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro e do Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho.

“Apesar de muitas das falhas e insuficiências serem atribuídas aos serviços municipais de Terras de Bouro e de Vieira do Minho, a IGAMAOT revela que várias destas situações eram há muito do conhecimento de entidades da Administração Central, concretamente sete das obras ilegais detetadas em Vieira do Minho estavam referenciadas pela APA, CCDR-N e ICNF”, referem os deputados.

“Importa conhecer o ponto de situação das sanções e da reposição da legalidade no local, bem como escrutinar os procedimentos que possibilitaram a construção de dezenas de obras ilegais que atentam contra o património natural, agrícola e florestal da área envolvente da albufeira da Caniçada”, concluem.

Corpo fit: como obtê-lo em 2021

Imagens: M TBR

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

VILA NOVA é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.