Protocolo com Cruz Vermelha e Alto Comissariado para as Migrações destina-se a facilitar integração na comunidade

Construtora dst apoia formação profissional de crianças e jovens provenientes de um campo de refugiados na Grécia

Construtora dst apoia formação profissional de crianças e jovens provenientes de um campo de refugiados na Grécia

Pub

 

 

A construtora dst empresa do universo dstgroup, assinou esta quarta-feira, em Braga, um protocolo de cooperação com a Cruz Vermelha Portuguesa (delegação de Braga) e o Alto Comissariado para as Migrações, com vista à criação e desenvolvimento de um programa-piloto de Desenvolvimento de Habilidades Profissionais, no âmbito do Desafio de Cariz Humanitário, programa que apoia crianças e jovens provenientes de um campo de refugiados na Grécia que se encontram a residir em Vila Verde, desde outubro de 2020.

A iniciativa de capacitação pretende promover melhores oportunidades de obtenção de emprego e integração na comunidade, dessa forma melhorando a qualidade de vida dos 10 jovens que integrarão este projeto-piloto e se encontram numa Casa Residencial de Acolhimento Especializado, da responsabilidade da delegação de Braga da Cruz Vermelha Portuguesa. Na casa de acolhimento vivem apenas crianças e jovens estrangeiros não acompanhados, em resultado do compromisso então assumido pelo Estado Português com a Grécia, perante a Comissão Europeia.

Programa-piloto petende apoiar integração na comunidade

O programa, que decorre durante um ano, arranca já no próximo dia 10 de maio, com um horário de 20 horas semanais, distribuídas diariamente pelo período da tarde (dias úteis) entre as 14 e as 18 horas. Os dez jovens participantes têm idades compreendidas entre os 16 e os 18 anos, com proveniências geográficas diversas, nomeadamente Bangladesh, Congo, Egito, Gâmbia, Mali, Paquistão e Síria. Com a celebração deste protocolo, é assim reforçado o propósito de proporcionar um acolhimento digno, seguro e de bem-estar e de promover a autonomização daqueles jovens por via da inclusão escolar e profissional.

A construtora do grupo liderado por José Teixeira pretende, na prossecução das suas políticas de responsabilidade social junto da comunidade, cooperar de forma ativa neste programa potenciando capacidades, acolhendo na sede da empresa os jovens estudantes e concederá um donativo à Delegação de Braga da Cruz Vermelha Portuguesa, como contribuição pecuniária no valor de 438,81 euros por cada um dos participantes que integre o programa piloto. Este valor reverterá na sua totalidade para os jovens. A par disso, a empresa facultará aos jovens os conhecimentos técnicos, administrativos e a assistência que considerar necessários para a prossecução e realização de sucesso desta iniciativa, oferecendo ainda seguro de acidentes pessoais e também transporte e refeições aos jovens participantes, nos dias em que se encontrem em execução de funções. A dst solicitou previamente que os jovens fossem auscultados em matéria de interesses, de forma a enquadrá-los em profissões de que gostassem, nomeadamente nas áreas de metalomecânica, alumínios nos revestimentos e fachadas, mobiliário de madeira, eletricidade e avac.

‘Acolher como gostamos que nos acolham’

Sobre esta ação de cooperação, José Teixeira, presidente do dstgroup, confessa que “tem esperança de que estes refugiados possam no futuro manter-se connosco. É nosso dever acompanhá-los, na ausência das famílias. Fazemos isto por dever social, mas com enquadramento de interesse económico, ajudando-os a crescer. José Teixeira acrescenta ainda que “existe um processo cultural no grupo de diversidade. Temos já algumas casas onde acolhemos alguns trabalhadores de Timor, São Tomé, Cabo-Verde, Moçambique, Angola e também da comunidade cigana, por exemplo. Como empresa cosmopolita que queremos ser, é fundamental assentar nesta diversidade. Por isso, serão bem acolhidos pelos nossos trabalhadores”. O empresário frisa, por último, que “somos um país de imigrantes e meu pai também o foi, por isso, adoramos ser bem recebidos. Assim, é nossa obrigação também acolher como gostamos que nos acolham quando estamos a trabalhar fora da nossa pátria.”

‘Responsabilidade social é hoje é mais importante do que nunca’

Armando Osório, Presidente da Cruz Vermelha Portuguesa de Braga, afirma que esta parceria com o dstgroup tem sido uma grande ajuda. “Começámos com um projeto pioneiro, direcionado para as comunidades ciganas. Na época, o eng.º José Teixeira acreditou na ideia e apostou na integração laboral destes trabalhadores que, não raras vezes, encontram barreiras no tecido empresarial.  A dst tem sido um oásis, no sentido de se mostrar sempre disponível para com os nossos projetos”. O presidente da instituição reforça ainda “que em relação a estas bolsas que serão agora atribuídas a estes jovens, não tenho palavras para agradecer. Um bem-haja por esta coragem e deixo o apelo para que outras empresas sigam este caminho de responsabilidade social que hoje é mais importante do que nunca.”

‘Aquisição de competências e experiência em contexto de trabalho é fundamental para a capacitação profissional’

Por seu turno, Sónia Pereira, Alta Comissária para as Migrações, a quem caberá prestar a melhor colaboração à CVP e à dst na execução do protocolo assinado esta tarde, afirma “que veio à dst no âmbito deste protocolo de cooperação e também a propósito do apoio a crianças e jovens ciganos que estão a frequentar o ensino básico e secundário e a quem a dst financiou com bolsas de estudo no âmbito da sua ação de responsabilidade social. Segundo Sónia Pereira, trata-se de “um apoio fundamental para que estes jovens ciganos se mantenham na escola. Esta colaboração estende-se agora também a esta iniciativa dirigida aos jovens refugiados que chegaram ao nosso país, vindos da Grécia e que estão aqui a construir o seu projeto de vida”. A responsável acredita ainda que “esta aquisição de competências e experiência direta na empresa, em contexto de trabalho é fundamental” e reforça o “papel das empresas nesta matéria, razão pela qual não posso deixar de destacar o importante exemplo que a dst deixa neste âmbito”.

‘Uma oportuninade na vida’

Maria José Casa Nova, Professora da Universidade do Minho do Instituto da Educação e coordenadora do Observatório das Comunidades Ciganas, presenciou a celebração deste protocolo considerando que este tipo de iniciativa demonstra “a diferença entre oportunidade “de” vida e “na” vida, porque as oportunidades de vida são no domínio do abstrato e da possibilidade, enquanto as oportunidades na vida são a concretização dessas possibilidades. Este protocolo com estes estágios profissionais são a concretização desta possibilidade.”

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Imagens: dst

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 — BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.