‘Uma história total não pode ser feita sem a história dos resistentes’

Memória e História da Revolução

Memória e História da Revolução

Pub

 

 

A grande batalha pela memória do 25 de Abril é uma batalha pela sua história, é no passado real e não no mitificado que se pode construir com consistência o futuro.

PS e PCP tentaram controlar o aparelho de Estado e disputaram a direcção da revolução, mas a revolução não é feita por partidos, nenhuma é. Revoluções não são golpes de Estado nem conspirações, são dirigidas por partidos mas são feitas pelas massas (diferentes camadas da população). 3 milhões de pessoas em Portugal em greves, manifestações, ocupações, lutas sociais, construíram o que de melhor este país teve em 45 anos, associá-las a um viés ditatorial, caótico, não reconhecendo que foram elas, com o seu trabalho e formas de luta que construíram o SNS, a Segurança Social, a educação universal, é alinhar com a ideia, hoje dominante, de que as maiorias não podem fazer nada de bom.

A rigor a história tem sido muito mais dura com a elites – raramente algo de bom foi feito sem amplas camadas da população que pela força revolucionária mudaram os países e as regiões. Nunca houve uma democracia tão plena em Portugal como nos 19 meses de revolução em que colectivamente as decisões eram abertamente debatidas, discutidas e votadas. Nunca tanta gente decidiu tanto na história deste pequeno país.

Uma história total, ambicionada por todos, não é só a história dos resistentes. Mas não pode ser feita sem a história dos resistentes. Dos que não aceitaram as ordens sem primeiro as contestar, discutir e votar. E assim elas deixaram de ser ordens e passaram a ser aquilo que foram em grande medida no biénio de 1974-1975: decisões coletivas sobre a forma como uma sociedade quer viver.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Imagem: RTP2

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 — BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

About Author

Raquel Varela

Raquel Varela é Historiadora, Investigadora e professora universitária/ Universidade Nova de Lisboa /IHC e Fellow do International Institute for Social History (Amsterdam). Foi Professora-visitante internacional da Universidade Federal Fluminense. É coordenadora do projeto internacional de história global do trabalho In The Same Boat? Shipbuilding industry, a global labour history no ISSH Amsterdam / Holanda. Autora e coordenadora de 25 livros sobre história do trabalho, do movimento operário, história global. Publicou como autora 51 artigos em revistas com arbitragem científica, na área da sociologia, história, serviço social e ciência política. Foi responsável científica das comemorações oficiais dos 40 anos do 25 de Abril (2014). Em 2013 recebeu o Santander Prize for Internationalization of Scientific Production. É editora convidada da Editora de História do Movimento Operário Pluto Press/London e comentadora residente do programa semanal de debate público O Último Apaga a Luz na RTP.

Write a Comment

Only registered users can comment.