ZERO analisou território português em busca de regiões com impacto da pressão urbanística e climática e encontrou 7, uma delas a Apúlia

Dia da Terra regista ‘Portugal natural’ sob ameaça

Dia da Terra regista ‘Portugal natural’ sob ameaça

Pub

 

 

Para assinalar o Dia da Terra, a associação ambientalista ZERO pegou na nova ferramenta do Google Earth que, em progressão rápida, nos permite ver a evolução de diferentes regiões do mundo entre 1984 e 2020, e deu a conhecer um resumo dos principais pontos críticos do país. Em Portugal, descobriu, assim, de forma simples e acessível ao comum dos cidadãos, espaços profundamente alterados neste relativamente curto lapso temporal. O impacto do crescimento urbanístico e as marcas de desastres naturais relacionados com as alterações climáticas são visíveis. No Dia da Terra, que se assinala nesta quinta-feira, a seleção da ZERO alerta-nos-nos para um “Portugal natural” sob forte ameça.

1. Estufas do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

De campos praticamente vazios, a estenderem-se até ao mar, a hectares e hectares de áreas cobertas com o plástico das estufas. Aqui, a paisagem alterou-se radicalmente, com a marca da agricultura intensiva. O que a imagem não mostra, mas a ZERO lembra, é que esta mudança foi acompanhada do uso de pesticidas, fertilizantes e de um grande consumo de água, que “põem em causa os valores naturais que deveriam estar salvaguardados”.

2. Incêndios em Leiria e Pedrógão Grande em 2017

Duas imagens foram selecionadas para mostrar como os grandes incêndios de 2017, influenciados pelas alterações climáticas, mudaram a paisagem junto à costa e no interior do distrito de Leiria.

Do verde, passou-se ao castanho, sinónimo de território ardido e da floresta perdida. Os grandes incêndios de 2017, recorde-se, causaram a morte de mais de cem pessoas e devastaram milhares de hectares de floresta, incluindo o Pinhal de Leiria.

3. Ocupação de áreas sensíveis na Península de Tróia

O desordenamento do território, com uma catadupa de construções a estenderem-se até aos limites da costa, é particularmente visível na imagem da península de Tróia. A ZERO lembra que parte da península está classificada como Reserva Natural do Estuário do Sado e área da Rede Natura 2000, mas que nem isso impediu que fosse ocupada “por um suposto turismo de segunda habitação, que ocupou zonas lunares e relevantes da costa portuguesa”.

4. Urbanização no Algarve – os casos muito críticos de Quarteira e Tavira

O Algarve dos anos 80 e o de agora têm muito poucas semelhanças, sobretudo se olharmos para locais como Quarteira e Tavira, as duas áreas escolhidas pela ZERO nesta região do país.

O crescimento de empreendimentos turísticos (hotéis e campos de golfe) mudou drasticamente a paisagem de um território que, como salienta a associação, é “vulnerável à seca e onde o turismo de massas se veio a revelar pouco resiliente a crises como a da pandemia e, no futuro, às alterações climáticas”. O desenvolvimento que ali se vislumbra, diz, é “insustentável”.

5. A submersão de áreas relevantes naturais pelas albufeiras de Alqueva e Sabor

Se olharmos para as regiões afetadas pela construção de barragens, como as de Alqueva e do Sabor, a influência destas estruturas na paisagem é absolutamente marcante.

“A bem da produção de eletricidade e/ou da agricultura intensiva”, cursos de água quase invisíveis transformam-se em bacias largas de água. Isto, diz a ZERO, deixou “submersos ecossistemas e paisagens únicas, áreas agrícolas e aldeias”.

6. A monocultura agrícola intensiva em Beja

De um mosaico em vários tons de verde, a paisagem entre a aldeia de Salvada e a de Quintos, a sul e oeste do Guadiana, no distrito de Beja, transformou-se numa zona de hiperconcentração de verde, rodeado pelo castanho de terreno seco e vazio em redor, descrevem os ambientalistas. É a agricultura intensiva de olival/amendoal que tomou conta da região a transformá-la por completo.

7. A erosão costeira na região da Apúlia

É difícil ainda não termos ouvido falar do problema da erosão costeira, que afeta Portugal. As imagens que esta ferramenta nos traz da zona Norte da Apúlia, em Esposende, são um exemplo claro dessa alteração.

Daqui a alguns anos, as praias que enchem as memórias e sonhos de muitos portugueses poderão deixar de existir, por força da falta de sedimentos que reponham a areia necessária. E ainda falta perceber exatamente como é que a projetada subida do nível do mar, causada pelas alterações climáticas, irá pesar nesta mudança. Por enquanto, o que já se perdeu fica claro nestas imagens.

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Imagem: Público + Google Earth / ed VN

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 – BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

Categorias: Ambiente, Esposende, Natureza

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.