Tratamento de doença rara depende ainda de diversos outros fatores de risco eventualmente presentes

Sangue do cordão umbilical útil no tratamento de alguns idosos com leucemia mieloide aguda

Sangue do cordão umbilical útil no tratamento de alguns idosos com leucemia mieloide aguda

Pub

 

 

O sangue do cordão umbilical tem apresentado resultados promissores no tratamento da leucemia não apenas em crianças e jovens mas também em alguns doentes com idade mais avançada, permitindo alargar o espectro de doentes com acesso à transplantação de células estaminais como opção de tratamento. Segundo um artigo científico publicado recentemente na revista Annals of Hematology/Anais da Hematologia, o transplante de sangue do cordão umbilical pode oferecer uma opção de tratamento única para alguns dos pacientes com Leucemia Mieloide Aguda com idade superior a 60 anos.

A leucemia mieloide aguda é um tipo raro de doença maligna do sangue que, apesar de poder afetar crianças e jovens, apresenta uma maior incidência a partir dos 60 anos, verificando-se 15 casos em cada 100 mil idosos. Nas situações mais graves, o tratamento consiste em quimioterapia, seguida de um transplante de células estaminais hematopoiéticas, como as que existem na medula óssea. No entanto, os doentes com idade mais avançada têm menor probabilidade de ter um familiar compatível que possa ser dador de células estaminais para transplante.

“Neste contexto, o sangue do cordão umbilical apresenta-se como uma fonte de células estaminais hematopoiéticas muito útil, possibilitando que doentes que não dispõem de um dador de medula óssea compatível possam ser tratados recorrendo a um transplante hematopoiético”, explica Bruna Moreira, investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal, empresa portuguesa pioneira em criopreservação e investigação da aplicação das células estaminais em variadas doenças.

Doenças de foro pulmonar ou cardíaco afetam negativamente taxa de sobrevivência

Os investigadores deste estudo analisaram a evolução clínica de um grupo de mais de 1.500 doentes japoneses com idades entre os 60 e os 85 anos, transplantados com sangue do cordão umbilical para o tratamento de leucemia mieloide aguda, entre 2002 e 2017. Os doentes foram submetidos a quimioterapia e receberam, de seguida, células estaminais saudáveis, provenientes de sangue do cordão umbilical armazenado num banco de células estaminais, com o objetivo de reconstituir o seu sistema hematológico (de produção de células do sangue).

Os resultados do estudo indicam que 81% dos doentes alcançou a reconstituição hematológica após o transplante, o que parece demonstrar a utilidade do sangue do cordão umbilical na transplantação de doentes com mais de 60 anos com leucemia mieloide aguda.

Verificou-se, ainda, que a idade, por si só, não teve impacto negativo na capacidade de reconstituição hematológica após o transplante. Contudo, observou-se que a idade superior a 70 anos e a presença de outros problemas de saúde, por exemplo do foro pulmonar ou cardíaco, estiveram relacionados com uma menor taxa de sobrevivência neste grupo de doentes, pelo que é importante fazer uma criteriosa seleção dos doentes a transplantar, com base em vários fatores, como a gravidade da doença e outros problemas de saúde que apresentem em simultâneo.

Crédito Consolidado – uma alternativa às moratórias

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Imagem: 0) Charles Deluvio/Unsplash, 1) Crioestaminal

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 – BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

Categorias: Saúde

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.