Movimento deixa um apelo aos cidadãos para que reclamem junto da Direção-Geral de Energia e Geologia

SOS Terras do Cávado preocupado com (re)licenciamento das Minas da Borralha

SOS Terras do Cávado preocupado com (re)licenciamento das Minas da Borralha

Pub

 

 

No âmbito do processo de consulta pública sobre a reabertura das Minas da Borralha, o Movimento SOS Terras do Cávado (SOSTC) veio a público manifestar o seu descontentamento pelo forma como a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) avançou com o processo relativamente à exploração mineira na Borralha, concelho de Montalegre. Solicita, por isso, em ofício, a “anulação da referida consulta (e todas as outras, como é óbvio) e adiamento sine die, pendente do fim do Estado de Emergência em Portugal”, devido à pandemia Covid-19, uma vez que a forma como esta decorre  “impede ou restringe severamente a população de participar”. Este pedido de concessão para exploração destas minas, bem como das de Banjas, no concelho de Paredes, estão, ainda por cima, a ser apreciados com base em legislação considerada obsoleta por ter mais de 30 anos, acrescentou ainda a ZERO.

No mesmo ofício, o SOSTC protesta contra a disponibilização de grandes áreas de Portugal para prospeção e exploração mineira, na sua maior parte a céu aberto, “em nome de interesses terceiros, nomeadamente a procura externa de matéria prima para alimentar a indústria europeia”. Segundo o movimento afirma, “tudo está a ser feito sem transparência, em segredo das populações e há graves suspeitas sobre o processo, agravadas pelo desenvolvimento do mesmo em plena Pandemia, ao abrigo de sucessivos Estados de Emergência que severamente têm restringido e restringem ainda as liberdades e direitos das populações”.

Considerando ser este um “Processo de Ruína em Curso” que afecta áreas protegidas, património natural e cultural, nomeadamente REN, RAN, Parques Naturais, Património UNESCO, entre outros, e o abastecimento de água às populações, o SOSTC lembra que “a legislação em vigor é uma estrada aberta para a vinda das maiores multinacionais da mineração para Portugal e o Governo tem publicitado o país como aberto à exploração, sem reservas.

Poucos dias depois de o país ter assinalado o Dia Nacional da Água, os responsáveis da associação deixam um alerta: “É gravíssimo estarem a permitir a disseminação de explorações mineiras em praticamente todas as bacias hidrográficas portuguesas, cujas águas de superfície são responsáveis pelo abastecimento de cerca de 80% da população de Portugal Continental, ao mesmo tempo que estão em pôr em risco os aquíferos subterrâneos que abastecem os restantes 20%”.

De forma lacónica, acrescentam mesmo: “Portugal dura já quase há 900 anos mas está a desenvolver esforços que põem em dúvida se existirá mais 100”.

Apelo a reclamação junto da DGEG

O movimento SOS Terras do Cávado considera, por isso, urgente:

  • A suspensão do processo de concessões de prospeção e exploração em curso;

  • Um grande debate nacional para esclarecimento das pessoas, determinar que Portugal queremos para o Futuro, qual o caminho sustentável para o combate às Alterações Climáticas e para o desenvolvimento do país;

  • O respeito pelas populações e comunidades fora das grandes cidades, bem como pelo património perene que guardam, vital para o futuro de Portugal;

  • O direito a desenvolver um país com prosperidade sustentável para TODOS os seus habitantes;

  • O direito à PAZ e à NATUREZA de todos os que a elas quiserem aceder, temporária ou permanentemente, para as pessoas de hoje e para as gerações futuras.

Assim, deixa um apelo a todos os cidadãos que enviem vossa reclamação à DGEG até 15 de Abril, mediante minuta disponibilizada para o efeito.

Minas da Borralha, um dos grandes focos de poluição do rio Cávado

As minas da Borralha, exploradas de 1902 a 1986, são já um dos grandes focos de poluição do Rio Cávado, que abastece de água quase meio milhão de pessoas. Em vez de resolver o problema existente, o Governo está a potenciar a criação de um problema ainda maior, com a reabertura das minas, desta feita concessionando à empresa Minerália a exploração a céu aberto, numa área que poderá atingir 2.400 hectares.

A atividade mineira é tradicionalmente reconhecida como altamente poluidora dos recursos hídricos, devido à natureza das suas atividades. Além da poluição visual, resultante da destruição de vastas áreas de coberto vegetal, da poluição do ar, resultante das poeiras levadas a grande distância pelo vento, da poluição sonora, resultante dos rebentamentos, do enorme acréscimo do trânsito de pesados nas estradas para escoar os minérios, a atividade mineira tem grande impacto na água e é este o nosso foco:

  • Poluição dos recursos hídricos (superficiais e subterrâneos) pelos produtos químicos utilizados na extração de minérios;

  • Sedimentação e poluição de rios pelo descarte indevido do material produzido não aproveitado (rochas, minerais, etc.);

  • Mortandade de peixes em áreas de rios poluídos por derrames dos elementos químicos oriundos de minas;

  • Contaminação de águas superficiais (doce e salgada) pela lixiviação dos minerais extraídos ou seus componentes;

  • Aumento da turbidez e consequente variação na qualidade da água e na penetração da luz solar no interior do corpo hídrico;

  • Alteração do pH da água, tornando-a geralmente mais ácida;

  • Redução do oxigênio dissolvido dos ecossistemas aquáticos.

Segurança de recursos hídricos em risco

“O recente histórico de acidentes em explorações mineiras de todo o mundo não permite ter qualquer dúvida que não é possível garantir a segurança absoluta dos recursos hídricos na presença de minas e o risco para as bacias hidrográficas ocorre em função da quantidade e dimensão das explorações que lá operam.

Pior, a DGEG não possui sequer os recursos humanos para assegurar a fiscalização das 3500 pedreiras e minas já existentes em Portugal, como atestou o recente acidente da pedreira de Borba, que matou 5 pessoas e interrompeu uma estrada nacional. É inadmissível que o Estado assuma o prejuízo das explorações extractivas, depois de dar o lucro sem restrições aos privados, a custo do bem estar e segurança das populações e de qualquer esperança de uma actividade económica sustentável”.

Água | Junte-se à corrente e feche a torneira: H2OFF!

Imagem: SOSTC

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 – BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.