Sabores | Anabela Ramos

Amêndoas da Páscoa

Amêndoas da Páscoa

Pub

 

 

O consumo de amêndoas cobertas de açúcar perde-se no tempo e não é meu propósito fazer a história deste hábito aqui nesta pequena crónica. Mas pelo pouco que sei, percebe-se que esta união entre amêndoa e açúcar tem uma raiz medicinal, porque ambos os alimentos assim são considerados, pelo menos, desde a medicina hipocrática e galénica. O açúcar era considerado nutritivo e terapêutico, fazendo parte da composição de muitos medicamentos para doenças respiratórias, como tosse, catarro e asma, mas também para os intestinos (diarreias e disenterias), estômago, rins, bexiga e alívio de sintomas depressivos; a amêndoa, por sua vez, era digestiva e indicada para o coração e problemas respiratórios, como asma, tosse e rouquidão. Era também usada como calmante e útil nos espasmos, convulsões e dores de ouvidos.

Compreendemos, assim, a popularidade da amêndoa como ingrediente de um sem número de doces, mesmo sendo pouco ou nada produzida na maior parte das regiões do país. E foi esta escassez que obrigou os nortenhos a serem criativos e a criarem vários outros doces que se assemelhassem com as amêndoas. É neste contexto que surgem os confeitos, pequenos doces feitos essencialmente com açúcar. Raphael Bluteau assim no-lo diz em 1720, quando se menciona os “confeitos do Porto”. Diz ele que “são como as nossas amêndoas cobertas, mas redondos e do tamanho de medronhos (…) são todos feitos de açúcar e muito duros”. Este autor vive em Lisboa e refere-se, naturalmente, às amêndoas que eram mais comuns a Sul do que a Norte.  Estes confeitos podiam ainda ser aromatizados com água de rosas, erva-doce e âmbar, tornando-se um pequeno manjar que as comunidades monásticas consumiam em tempos de festa e utilizavam na decoração dos seus doces.

Todavia, e porque a amêndoa era muito apreciada e, como vimos, medicinal, havia outras formas artificiosas de se fingir a sua presença à mesa. Carlos Bento da Maia, em 1904, apresenta-nos, ao lado de várias receitas de amêndoas cobertas com canela, chocolate, vidrado de limão e laranja, uma receita curiosa de amêndoas feitas com pedacinhos de cidrão. Esse fruto tão apreciado e tão divulgado no nosso Portugal mais antigo, que aromatizava e enriquecia qualquer doce, vem também à mesa pascal dar corpo a umas deliciosas amêndoas fingidas.

Diz-nos o autor: “Este doce recebe o nome falso que tem, por ser costume misturar com as amêndoas cobertas, bocados de cidrão também cobertos. Corta-se o cidrão em bocadinhos aproximadamente do tamanho de amêndoas, leva-se ao lume com metade do seu peso de água, limpa-se, se for necessário, e, depois, leva-se a calda a ponto de espadana; tira-se do lume, deitam-se nela os bocados de cidrão e mexe-se tudo muito bem, até que os bocados estejam quasi secos. Depois deitam-se estes bocados em pratos e separam-se uns dos outros com a possível ligeireza”.

E aqui estão elas à mesa Minhota. Uma tradição que importa recuperar! Amêndoas fingidas de cidrão!

Sabores | Numa cozinha do século XVIII com Francisco Borges Henriques

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Imagem: Bagas & Sementes

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL
MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Cultura

About Author

Anabela Ramos

Historiadora.

Write a Comment

Only registered users can comment.