Raquel Varela

Pandemia | Confinamentos enviaram crianças, classes trabalhadoras e velhos de alto risco para a zona de perigo

Pandemia | Confinamentos enviaram crianças, classes trabalhadoras e velhos de alto risco para a zona de perigo

Pub

 

 

A Alemanha recua no confinamento. Não recua – Angela Merkel foi forçada a recuar por uma conjugação de factores. Daqui a uns meses iremos descobrir – também em Portugal – que nunca houve ninguém a favor de confinamentos, “porque afectam muito a saúde mental e aumentam a mortalidade média abaixo dos 64 anos”.

Para parte substancial do substracto sociológico que cria hegemonia opinativa no espaço público, a política não tem princípios nem memória – tem autoridade e esquecimento. Agora que a autoridade foi forçada a recuar, segue-se em breve a mudança de princípios. Daí que o esquecimento seja um recurso central do Estado. A Alemanha está perto da Suécia, e apesar do esforço de eclipsar o país das renas que tem em Estocolmo a mesma densidade populacional de qualquer cidade europeia, os dados estão aí – nunca um comércio ou restaurante fechou, as escolas mantiveram-se abertas, não há sequer uso de máscaras, e a Suécia tem menos mortos do que a média europeia. De tal forma que nem a Finlândia nem a Noruega obrigam ao uso de máscaras ou fecham escolas.

Foram publicados, nos EUA, dados do excesso de mortalidade entre 15-64 anos. Resultados? A mortalidade das classes trabalhadoras por razões não-Covid aumentou muito. O que levou Martin Kulldorff, professor da Harvard Medical School, a esta frase lapidar: “Os confinamentos protegeram a classe dos laptop, jovens e pessoas com baixo risco, jornalistas, cientistas, professores, políticos e advogados enquanto enviaram as crianças e as classes trabalhadoras e velhos de alto risco para a zona de perigo (while throwing children, the working class and high-risk older people under the bus).

Portugal é um caso único de submissão política, em que o Estado finge que não existem 1 milhão de desempregados, cortes de salários reais nos empregados à boleia da pandemia, selvajaria sem lei nos locais de trabalho, a bomba-relógio das moratórias e uma crise de saúde mental que deixa as classes trabalhadoras e os seus filhos devastados já que nunca terão dinheiro para tratar-se a não ser com medicação.

História | Redescobrir a ‘História do PCP na Revolução dos Cravos’ de Raquel Varela no 100º aniversário do Partido

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer.

Nutrição | A dieta do Paleolítico é moda ou não?

**

VILA NOVA: conte connosco, nós contamos consigo.

Se chegou até aqui é porque considera válido o trabalho realizado.

Apoie a VILA NOVA. Efetue um contributo sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL
MBWay: 919983484

Envie-nos os seus dados fiscais. Na volta do correio, receberá o respetivo recibo.

Gratos pelo seu apoio e colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.