AECT Rio Minho alerta entidades responsáveis pela gestão dos territórios do rio Minho para as dificuldades sentidas por trabalhadores, empresas e população do Alto Minho e Galiza

‘Confinados no Rio Minho’ documenta dificuldades transfronteiriças em tempos de confinamento

‘Confinados no Rio Minho’ documenta dificuldades transfronteiriças em tempos de confinamento

Pub

 

 

Trabalhadores, empresas e população em geral do território do rio Minho continuam a sofrer um duplo impacto na sua rotina diária: o da Covid-19 e o encerramento de fronteiras entre o Alto Minho e a Galiza, que impede ou dificulta a circulação de pessoas. O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Rio Minho (AECT Rio MInho) realizou, por isso, um documentário – ‘Confinados no Rio Minho’ – que será lançado muito em breve. Por ora, circula nas nas redes sociais da Deputação de Pontevedra, do Smart Minho e das autarquias do AECT Rio Minho um teaser de apresentação do projeto.

Por detrás de perdas económicas, viagens de centenas de quilómetros a mais para trabalhar e gastos em combustível e tempo desnecessários, há histórias pessoais bastante emotivas que são o exemplo do que acontece aos cerca de 6.000 trabalhadores afetados por esta medida. Com esta iniciativa pretende-se atribuir um rosto e um nome às diferentes dificuldades causadas pela existência de apenas um ponto de passagem autorizada em regime permanente (24h) entre o Alto Minho e a Galiza. O objetivo é difundir e partilhar o documentário junto do maior número de pessoas e autoridades de Portugal e de Espanha, assim como com a Comissão Europeia, no sentido de pressionar uma alteração à situação. O documentário resulta da ação-piloto do Observatório das Dinâmicas Transfronteiriças (ODT), instrumento de apoio à decisão, com o objetivo de estruturar informação e melhorar o conhecimento da realidade socioeconómica do território do AECT Rio Minho.

‘Confinados no Rio Minho’, o documentário

O documentário ‘Confinados no Rio Minho’, produzido pelo AECT Rio Minho foi elaborado pelo diretor, realizador, guionista e ator Suso Pando. Com uma duração aproximada de 60 minutos e com imagens do território transfronteiriço, recolhe testemunhos na primeira pessoa de quem viveu o impacto do encerramento da fronteira no primeiro confinamento devido à Covid-19. Apresenta uma visão económica e institucional das reivindicações pela abertura das várias travessias, insistindo na máxima de que o Minho é um território muito dinâmico economicamente, com uma interdependência secular enorme entre ambas as margens do rio, e com uma fronteira que representa 5% do total de quilómetros entre Portugal e Espanha, mas que assume 50% do tráfico de veículos.

Três testemunhos

“Espanhóis e portugueses estamos todos misturados, involucrados. As autoridades não sabem como se vive nesta zona”, criticou Noélia Salgueiro, residente em Valença e trabalhadora em Tui, que explica que, durante o primeiro confinamento e encerramento de fronteiras, teve de deixar a sua residência em Portugal com o filho mais novo para se instalar na casa dos pais, em Tui, durante um mês e meio, separando-se do resto da família, uma vez que problemas administrativos não lhe permitiam passar o controlo fronteiriço.

Outro dos casos narrados é o da cabeleireira Cecilia Puga, que vive em Arbo e tem o seu salão em Melgaço. Um percurso diário normal de apenas 8 kms transformou-se em centenas de quilómetros com o encerramento de fronteiras, ao ter de passar obrigatoriamente em Valença-Tui. “Só peço que me deixem trabalhar. Que os trabalhadores possam passar pelas travessias habituais. Que ponham mais meios de controlo porque, se eu soubesse disto, nunca teria montado o meu negócio do outro lado”, disse.

Finalmente, Andreia Costa, residente em Ponte de Lima e trabalhadora em Tomiño, expõe que a interdependência de ambas as margens do rio Minho é muito grande e que “o tecido económico que existe nestas vilas da raia está a ser destruído” com o encerramento de fronteiras.

O seu gato merece o melhor, o cão também. Na ZOOPLUS tem tudo o que precisa para eles encontrando uma gama alargada de produtos em condições verdadeiramente especiais.

Imagens: SP

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial) ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.