António Fernandes

Rendimento | A economia dependente

Rendimento | A economia dependente

Pub

 

 

Bastou um vírus para mostrar a uma Nação o preço a pagar pelo desmantelamento do seu parque industrial; da sua frota pesqueira; das suas dinâmicas agrícolas; das suas dinâmicas comerciais; e tudo o mais que comprometeu a sua autonomia e independência.

A subjugação não pode ser sinónimo de solidariedade quando resulta no benefício de uns em prejuízo de outros. A subserviência não pode ser sinónimo de respeito por compromissos assumidos com um determinado objetivo que alterações nas dinâmicas políticas entretanto comprometeram.

Os acordos para a constituição da Comunidade Económica do Carvão e do Aço (CECA), Comunidade Económica Europeia (CEE) e União Europeia (UE), após as profundas alterações exaradas e ratificadas no Tratado de Lisboa, nada tem em comum e muito menos em consonância com o espírito dos acordos entre os intervenientes políticos aquando da constituição da CEE.

A ideia política dominante de então era a da social democracia socializante dos setores primários das economias envolvidas, convergindo em um projeto social abrangente. A coabitação entre o investimento público e o investimento privado centralizado em eixos transversais de desenvolvimento visavam uma Federação articulada em torno de um projeto de Europa Social. Tal não aconteceu por força das dinâmicas domocráticas que colocaram no poder nacional dos diversos países parceiros com enfoque para o eixo dominante, o eixo franco-alemão, interesses privados politicamente tidos por de centro-direita e que acabaram por resultar no referido Tratado de Lisboa.

Neste acordo, subjugação e a subserviência assumiram forma determinante ao ponto de um vírus conseguir pôr a nu as fragilidades de uma interdependência instituída como vontade política com reflexos na economia e, por intermédio desta, na vida das pessoas, onde as contradições sistémicas do modelo político e social são por demais evidentes.

Ou seja, a uniformização de diversos critérios até pode ser positiva num cenário de estabilidade política ideológica, mas também pode ser negativa quando essa estabilidade política e ideológica não existe; e que foi o que aconteceu.

A ingenuidade política de então foi o alicerce estrutural dos denominadores comuns que enfrentavam uma crise de identidade estruturante de monopólio, revertendo todo o processo de democracia económica através de normas precisas castradoras da pequena iniciativa para benefício da iniciativa transnacional e, por essa via, geradora da interdependência dentro da União Europeia e desta para com forças sem pátria ou qualquer identidade nacional.

Dessa forma se estruturou o neoliberalismo assente em interesses privados concertados em grandes grupos económicos e financeiros e se desferiu um golpe crucial no projeto Europeu de uma Europa Social onde as assimetrias existentes seriam esbatidas.

Hoje, entre muitos outros fatores de relevo, o resultado é o de um aumento exponencial do fosso entre ricos e pobres. Deu-se

– a eliminação simples da classe média;

– a anulação da identidade nacional;

– a eliminação da independência singular;

– aumento da instabilidade emocional dos indivíduos;

– aumento da insegurança dos indivíduos;

– aumento do controlo político dos indivíduos por via do apossamento de informação.

O que nos mostra quais as intenções subjacentes ao polvo tentacular em progressiva instalação. Só o interesse conjugado dos povos conseguirá dar resposta política adequado através de uma via que condicione as valências económicas e sociais, de forma a dar resposta credível ao progresso e desenvolvimento da organização das sociedades civilizadas.

Um desafio para as atuais gerações que cada vez mais dispõem de menos tempo para encontrar soluções porque a História de hoje já não se mede em séculos e muito menos em anos civis. A História hoje mede-se à velocidade e precisão dos algoritmos na banda larga das autoestradas da comunicação.

Ideologia | O que é um liberal-conservador?

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial) ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

About Author

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Write a Comment

Only registered users can comment.