Produto destinado sobretudo a trabalhadores da Saúde e da Proteção Civil permite uso de óculos de leitura em simultâneo

LookSafety, os óculos pioneiros de proteção individual antiCovid by Injex

LookSafety, os óculos pioneiros de proteção individual antiCovid by Injex

Pub

 

 

Os LookSafety, produzidos por uma empresa de Famalicão, acabam de ser colocados no mercado. Trata-se dos primeiros óculos de proteção individual certificados para uso profissional. O desenvolvimento inovador tem a assinatura da Injex e permite o uso, em simultâneo, de óculos de prescrição médica.

Os novos óculos LookSafety da Injex foram pensados e construídos para responder às necessidades de proteção decorrentes da pandemia da Covid-19. Distinguem-se por várias particularidades, entre elas o facto de permitirem o uso em simultâneo dos óculos de leitura. Entre o público-alvo contam-se em especial os trabalhadores dos setores da Saúde e Proteção Civil – hospitais, bombeiros, laboratórios, recursos humanos de lares, autarquias, entre outros –, mas também trabalhadores cuja função implique a necessidade de uma proteção ocular eficaz.

Como surgiram os LookSafety

Esta é a história de como uma empresa aproveitou a pandemia para criar um produto essencial cuja produção era praticamente, até agora, um exclusivo asiático.

Depois de um primeiro contacto da Direção-Geral da Saúde (DGS), em abril de 2020, que procurava fabricantes nacionais de produtos capazes de ajudar a combater o vírus SARS-CoV-2, aquela empresa de desenvolvimento de componentes técnicos para a indústria automóvel decidiu dedicar atenção ao problema e acabou por conceber um produto que certificou, industrializou e agora vai comercializar.

“Estávamos parados por causa da pandemia e atirámo-nos ao trabalho”, conta o administrador, Pinheiro de Lacerda, logo constatando que havia na Injex e na 4 Valve, parceiros comerciais, tudo o necessário para desenvolver e produzir óculos de proteção individual, um dos produtos mais solicitados pela DGS: projeto, desenvolvimento, construção de moldes, capacidade produtiva e capacidade comercial.

O objetivo, desde logo traçado na fase de conceção, era estimulante. “Pretendíamos uns óculos de proteção que pudessem ser colocados diretamente sobre o rosto [utilizadores com boa visão, que não necessitam de óculos de correção da visão], assim como sobre óculos de correção [pessoas com dificuldades de visão], o que foi cabalmente conseguido.

A etapa seguinte – conceção, construção e otimização dos moldes de injeção –, conta Pinheiro de Lacerda, foi exigente e trabalhosa. “Um processo iterativo de correção do projeto e do molde, até se atingir o funcionamento e o aspeto perfeitos do produto”, destacando-se na peça frontal “a absoluta transparência conseguida, sem interferências na visão”.

Passado todo este tempo e alcançado o produto final, o projeto LookSafety, segundo o empresário famalicense, constituiu um grande desafio para a Injex, desde a génese, pois não existiam em Portugal empresas a produzir esta categoria de produtos. Mesmo na Europa eram bastante escassas.

“Foi necessário fazer uma pesquisa vasta, até a nível internacional, de vários itens imprescindíveis a um produto de qualidade, fiável, atrativo e vendável. Estamos a falar de certificação de produtos, de matérias primas, aditivos e outros, que no universo dos fornecedores portugueses não eram conhecidos”, explica.

Refira-se que o IAPMEI apoiou a empresa, através de um financiamento no âmbito do Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial, comparticipando um investimento elegível de quase 50 mil euros.

Comercialização online

Em paralelo decorreu todo o trabalho de desenvolvimento do site para a venda online do produto que agora ficou concluído para o mercado nacional. As vendas nos mercados internacionais terão início logo que a empresa receber o certificado CE, processo que deverá estar terminado no início do corrente mês de março.

Ração para cães e gatos com descontos até 50%

Imagens: Injex

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial) ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.