Faturação apresenta igualmente quebra muito acentuada devido à redução de consumo de artigos de moda

Desemprego no setor do calçado mais do que duplicou

Desemprego no setor do calçado mais do que duplicou

Pub

 

 

A indústria do calçado, um dos setores exportadores nacionais mais relevantes e com grande peso no equilíbrio sócio-económico nos distritos de Braga, Porto e Aveiro, registou, no final do mês de janeiro, 4.587 desempregados inscritos no IEFP, o que representa um aumento de 53,5% face ao período homólogo. Depois do alojamento e restauração, esta é a indústria mais afetada pela pandemia de COVID-19, assinala Ilídia Pinto no Dinheiro Vivo.

O calçado tem sido um dos setores mais afetados, uma vez que, devido aos vários confinamentos, a compra de artigos de moda deixou de ser sentida como uma prioridade. A APICCAPS, a associação empresarial do setor, calcula que terão sido vendidos, em todo o mundo, em 2020, menos 5 mil milhões de pares de calçado do que em 2019. Estes valores correspondem a uma quebra na ordem dos 22,5%, o equivalente à produção de calçado no país em cerca de 70 anos. No entanto, em valor, as exportações do ano anterior ficaram-se pelos 1.494 milhões de euros, uma quebra de apenas 16%, mas, ainda assim, a pior desde que há registo.

Quebra de consumo acentuada desde início da pandemia

Além da quebra muito significativa do consumo, a perda de confiança, que condiciona a tomada de decisões e as dificuldades de gestão da tesouraria vividas em muitas empresas foram os principais desafios enfrentados pelas empresas do setor.

“O calçado procurou resistir como pôde, socorrendo-se dos apoios do Governo, como o lay-off simplificado, as moratórias e as linhas de crédito, para estancar o impacto da pandemia e manter o essencial dos postos de trabalho. Está, agora, um setor expectante, mas que depende da evolução da pandemia para voltar a correr mundos”, sublinha Paulo Gonçalves.

 

Imagem: Lum3n/Pixabay

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial) ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.