A anseio de longa data corresponderá intervenção de grande envergadura

Urbanismo | Parque da Cidade de Esposende em consulta pública

Urbanismo | Parque da Cidade de Esposende em consulta pública

Pub

 

 

Encontra-se em Consulta Pública, até ao final do presente mês de fevereiro, o Projeto do Parque da Cidade de Esposende, intervenção de requalificação da parte sul da zona ribeirinha que permitirá dotar a frente do rio de uma imagem mais harmoniosa e integrada nesta zona da cidade.

O Parque da Cidade será constituído por percursos pedonais e cicláveis, em articulação com as Ecovias do Litoral Norte e do Cávado, terá espaços para eventos ao ar livre relacionados com o rio e a prática de desporto informal, postos de interpretação ambiental e pontos de observação de avifauna, parque de merendas, sanitários públicos, equipamentos lúdicos e mobiliário urbano.

Envolver esposendenses no destino do seu território

O presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, apela à participação dos esposendenses, no sentido de apreciar a proposta agora apresentada, fazendo chegar contributos que permitam melhorar este projeto. “Uma vez finalizado o processo, o projeto será apresentado à Câmara Municipal, dando lugar à negociação e aquisição dos terrenos para que avance a primeira fase das obras”, sublinha Benjamim Pereira.

Tratando-se de um processo voluntário, sem qualquer obrigatoriedade por parte do município, a consulta pública “reafirma a vontade de envolver as gentes do município, ou mesmo aqueles que nos visitam com frequência, na procura das melhores soluções para o nosso território”, contextualiza o autarca, apelando à participação: “Contribua e faça com que este projeto seja também um pouco seu”.

Anseio de longa data com intervenção de grande envergadura

O Parque da Cidade é um anseio antigo da população, em particular das gentes de Esposende, mas só em 2013 foi apresentado um estudo, resultante do Concurso Internacional de Ideias lançado para este mesmo local, mas que, por razões diversas, não teve seguimento.

“É determinante saber definir prioridades face aos parcos recursos financeiros que o município dispõe, ainda para mais se considerarmos esta escala de investimentos. Foi por isso que optámos, em primeiro lugar, pelo investimento no Canal Intercetor que, para além de ser uma mais-valia do ponto de vista ambiental e de usufruto de espaços verdes pela população, resolve um grave problema estrutural da cidade, no que se refere a inundações”, justifica Benjamim Pereira, lembrando as ocorrências de 2013 que causaram graves prejuízos na cidade e nas freguesias de Esposende.

No ano de 2016 arrancou a elaboração do projeto do Parque da Cidade, num percurso que conheceu muitas dificuldades junto das entidades licenciadoras. Só no final de 2020 foram reunidos todos os pareceres favoráveis para prosseguir com o projeto de execução.

“Este foi sempre um processo conduzido com o máximo cuidado, sem criar falsas expectativas junto da população. No entanto, continuamos, ao longo dos anos, a trabalhar para a sua concretização”, acrescenta Benjamim Pereira lembrando a grandeza do projeto. “Se considerarmos que estamos a falar de cerca de 30 hectares de terreno, incluindo o alargamento para a margem sul, contemplando a construção de uma ponte pedonal e ciclável sobre o rio Cávado e da requalificação de quase todas as vias envolventes, percebemos a magnitude desta intervenção”.

Projeto de longo prazo

À escala do projeto surge associado um forte investimento financeiro, nomeadamente na aquisição de terrenos e na construção. Por isso, o presidente da Câmara Municipal de Esposende defende “moderação e planeamento” da intervenção, nomeadamente a necessidade de a sua execução ser levada a cabo de forma faseada, ao mesmo tempo que se “espreita” uma oportunidade de financiamento através de fundos comunitários, única forma de acelerar este processo. Para aceder a fundos comunitários é necessário concluir o projeto, submetê-lo à aprovação do Executivo Camarário e avançar com o complexo processo de aquisição de terrenos, que pode até levar à expropriação dos mesmos.

Assim, os interessados devem consultar, até ao final do mês de fevereiro, o projeto que se encontra exposto no edifício dos Paços do Concelho, no Piso -1, durante o horário de expediente, mediante marcação prévia, através do número 253 960 100, ou acedendo ao suporte digital, através dos links: www.municipio.esposende.pt ou www.parquecidade.esposende.pt.

Este projeto será desenvolvido em articulação com os eixos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

BioMindelo | Castanhinha-dos-carvalhos (Satyrium esculi)

Imagens: Município de Esposende

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial) ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.