Sandra Pimenta

Urbanismo | 9 mil metros quadrados de cimento e tijolo

Urbanismo | 9 mil metros quadrados de cimento e tijolo

Pub

 

 

Urbanismo: atuais Hortas Urbanas de Famalicão reduzidas a tijolo a cimento


 

 

As hortas urbanas têm vindo a ganhar força: quer pela questão ambiental, quer por possibilitarem o acesso a bens agrícolas frescos e, consequentemente, a uma alimentação mais saudável e economicamente mais acessível – o que ganha ainda mais importância no atual contexto que vivenciamos. A adesão a estes projetos tem sempre números muito significativos e por todo o país temos assistido a uma aposta no seu desenvolvimento.

Recentemente, a Câmara Municipal de Famalicão anunciou que as hortas urbanas do parque da Devesa iriam ser transferidas para outro local. A razão é conhecida: ampliação das instalações do CeNTI – Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes para o desenvolvimento da sua atividade.

Aqui não se coloca em causa a quem pertence o terreno, mas sim se a Câmara Municipal desenvolveu os esforços necessários – e que seriam esperados – para encontrar alternativas junto do CeNTI para que esta situação tivesse um fim diferente.

O descontentamento da população de Famalicão é notório e compreensível. Durante anos, foi-lhe possibilitado que, de uma forma próxima, usufruísse de um espaço de partilha e convívio. E, de repente, retiram-lhe isso.

A mudança da localização das hortas não só trará dificuldades de acesso aos atuais utilizadores, como ficará localizada numa zona exposta a poluição atmosférica. Mais: ficará numa zona onde regularmente se assiste a uma concentração de águas, devido à falta de escoamento em épocas mais chuvosas, muito por força das margens do rio que hoje, ao invés de serem naturais , são nada mais nada menos do que betão.

Acresce ainda  que o próprio rio ficará exposto a possíveis resíduos materiais – como plásticos, por exemplo – que podem ficar esquecidos nas hortas, juntando-se ao lixo que semanalmente já ali se concentra devido à feira semanal e bem sabemos que, apesar dos esforços dos funcionários camarários no final do dia, é inevitável que uma percentagem significativa acabe no rio. Da Câmara Municipal, esperamos que seja assegurada a disponibilização de vários ecopontos e ações de sensibilização aos utilizadores tanto das hortas como da própria feira.

Por muito que se tente justificar que a área das hortas será maior, o certo é que a área verde no centro da cidade ficará reduzida. São 9 mil metros quadrados de zona verde que darão lugar a cimento e tijolos, para grande orgulho da autarquia.

Aliás, as palavras do presidente da Câmara Municipal são esclarecedoras: “A autarquia não pode ficar insensível à necessidade de expansão de instituições como o CITEVE e o CeNTI, que muito contribuem para a nossa dinâmica concelhia…”

Pois é, Sr. Presidente Paulo Cunha: também os utilizadores das hortas e do parque dinamizam a cidade, também eles são importantes para a dinâmica de uma cidade que se quer mais verde, mais sustentável, com menos construções e mais espaços verdes que promovam a qualidade de vida dos munícipes, inclusive a sua saúde mental.

Por fim, porque não foi considerada a relocalização das hortas dentro do próprio parque da Devesa? Existiria realmente interesse na manutenção das hortas neste local? Fica para reflexão!

Urbanismo | Famalicão ganha novas Hortas Urbanas

Comportamento | ‘Dar o Clique’ e evitar abusos no namoro

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial) ou mbway.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.