Número de mortes no continente atinge 100.000 com aumento de 40% em relação ao mês anterior

Pandemia | COVID começa a atacar forte em África

Pandemia | COVID começa a atacar forte em África

Pub

 

 

As mortes por COVID em África aumentaram 40% no mês passado, elevando o número de mortos no continente para 100.000 desde o primeiro caso relatado em 14 de fevereiro de 2020, revela a OMS. Isto ocorre enquanto a África enfrenta novas variantes mais contagiosas e se prepara para a sua maior campanha de vacinação de todos os tempos.

Mais de 22.300 mortes foram relatadas em África nos últimos 28 dias, em comparação com quase 16.000 mortes nos 28 dias anteriores. A taxa de mortalidade por COVID subiu para 3,7% durante os últimos 28 dias em comparação com 2,4% nos 28 dias anteriores e está e agora está bem acima da média global.

Segunda vaga africana

Este aumento na mortalidade ocorre num momento em que a segunda onda de casos em África, que começou em outubro de 2020, parece ter atingido o pico em 6 de janeiro de 2021. A segunda onda espalhou-se muito mais rápido que a primeira e é muito mais letal.

“As crescentes mortes causadas pela COVID que estamos a presenciar são trágicas, mas também são sinais de alerta preocupantes de que os trabalhadores e sistemas de saúde na África estão perigosamente sobrecarregados. Este marco sombrio deve redirecionar todos para erradicar o vírus ”, afirmou Matshidiso Moeti, Diretora Regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) – África, manifestando esta posição durante uma conferência de imprensa virtual facilitada pelo APO Group, uma consultora de comunicações e negócios pan-africana.

Na segunda onda, conforme os casos aumentaram muito acima do pico experimentado na primeira onda, as unidades de saúde ficaram sobrecarregadas. Relatórios preliminares que a OMS recebeu de 21 países mostram que 66% relataram capacidade inadequada de cuidados intensivos, 24% relataram burnout entre os profissionais de saúde e 15 países relataram que a produção de oxigénio, crucial para pacientes com COVID gravemente enfermos, permanece insuficiente.

Variantes sul-africana e inglesa em expansão pelo continente

O marco de um ano ocorre no momento em que o continente enfrenta a disseminação de novas cepas de vírus. A variante sul-africana 501Y.V2 (também conhecida como B1.351), identificada pela primeira vez na África do Sul, foi detetada em oito países africanos, enquanto a variante inglesa VOC202012 / 01 (também conhecida como B1.1.7) inicialmente identificada no Reino Unido foi detetada em seis países do continente.

Esta semana, a África do Sul anunciou que pausará o lançamento da vacina Oxford / AstraZeneca por causa de um estudo que indica que a vacina é menos eficaz na prevenção da infeção leve e moderada com a variante 501Y.V2 que é dominante no país.

“Obviamente, são notícias muito decepcionantes, mas a situação é muito dinâmica. Embora uma vacina que proteja contra todas as formas de COVID seja nossa maior esperança, a prevenção de casos graves que sobrecarregam os hospitais é crucial ”, acrescentou Matshidiso Moeti. “Se os casos permanecerem principalmente leves e moderados e não exigirem cuidados críticos, então podemos salvar muitas vidas. Então, a minha mensagem é: saia e seja vacinado logo que uma vacina estieja disponível no seu país. ”

A OMS continuará a monitorizar a situação e a fornecer atualizações à medida que novos dados forem disponibilizados.

Considerando ser provável que surjam novas variantes à medida que o vírus continua a espalhar-se, entende que a necessidade de manutenção de medidas preventivas é indispensável, mesmo depois de se iniciar o processo de vacinação contra o vírus.

“A pandemia está longe de terminar e as vacinas são apenas uma ferramenta crucial em nossa luta contra o vírus. Devemos aumentar os investimentos e o apoio aos nossos profissionais de saúde e sistemas de saúde, mantendo o uso de máscara, limpeza regular das mãos e distanciamento social seguro ”, concluiu.

Imagens: OMS Africa

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.