Associação alerta para a importância de diagnóstico e referenciação precoce para reduzir progressão de doença altamente incapacitante

Saúde | APELA promove Ciclo Informativo Solidário dedicado aos desafios no acesso aos cuidados de saúde na Esclerose Lateral Amiotrófica

Saúde | APELA promove Ciclo Informativo Solidário dedicado aos desafios no acesso aos cuidados de saúde na Esclerose Lateral Amiotrófica

Pub

 

 

A Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica (APELA) manifesta-se preocupada com o impacto que a pandemia da COVID-19 teve no adiamento e suspensão de consultas e tratamentos de doentes diagnosticados com Esclerose Lateral Amniotrófica (ELA) –  a doença que há alguns anos passou a ser conhecida em todo o mundo pelos banhos de gelo que muitos famosos tomavam para alertar para a sua problemática e que tem vindo a despertar enorme interesse e curiosidade entre a comunidade científica – que não se inserem na esfera de doentes prioritários da SARS-COV-2.

Com o objetivo de dar a conhecer esta realidade, a APELA promove ainda um Ciclo Informativo Solidário, com o apoio da Linde Saúde, da Philips e da Resmed, para um reconhecimento da resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS) a doenças crónicas e incapacitantes, ao longo de 2020 e início de 2021.

Enorme impacto da Covid

“A pandemia da COVID-19 teve um grande impacto para os doentes com ELA, é importante refletir sobre aquilo que ficou em suspenso nas malhas do seu avesso. Falamos de um decréscimo generalizado das principais linhas de atividade hospitalar – consultas externas, cirurgias, urgências, internamento – um cenário que dá conta de um problema no acesso dos doentes à primeira consulta de referenciação.” destaca Pedro Ramos, Presidente da APELA.

Aspetos a melhorar nos cuidados a prestar a doentes

A APELA reconhece que a ausência de referenciação foi um dos principais obstáculos identificados durante o período de pandemia. Os novos diagnósticos não tiveram resposta imediata para uma primeira consulta, nem foram redirecionados para a respetiva equipa multidisciplinar, tendo a esmagadora maioria dos casos aguardado meses pelo início deste acompanhamento e, consequentemente, pela referenciação para os respetivos tratamentos. “É fundamental identificar e compreender se o SNS está preparado para dar resposta integrada a pessoas diagnosticadas com ELA ou qualquer outra doença incapacitante. Além disso, perceber que aspetos podem ser melhorados no funcionamento dos Cuidados de Saúde Primários (CSP) e dos Cuidados de Saúde Hospitalares (CSH) para garantir um diagnóstico e referenciação atempados”, reforça Isabel Ferreira, vice-presidente da APELA.

Proporcionar suporte constante

A associação destaca ainda o papel da Telessaúde na gestão de doentes com ELA, mas reforça que as relações presenciais não podem ser negligenciadas. O objetivo é estabelecer uma relação entre as duas realidades para um suporte constante destes doentes. “É fundamental que exista a perceção que a ELA é uma doença incapacitante que compromete gravemente os músculos respiratórios, podendo a insuficiência respiratória ser a principal causa de morte. É importante avaliarmos quais são os mecanismos que estão a ser acionados para assegurarmos os cuidados necessários e evitar que os doentes com ELA se desloquem, desnecessariamente, às urgências em contexto pandémico. Temos de dinamizar com os stakeholders na área e que têm estado presentes para estes doentes para que juntos possamos compreender de que forma podemos evitar cenários de crise”, acrescenta ainda Pedro Ramos.

Ciclo Informativo Solidário ‘Tudo o que ainda podemos ser’

Com o intuito de sensibilizar para esta realidade, a APELA aposta na realização de um Ciclo Informativo Solidário para dar resposta às questões emergentes de doentes com ELA, juntamente com os seus cuidadores e familiares, para minimizar o impacto da pandemia sobre os grupos mais vulneráveis. Esta iniciativa é composta por três webinars que decorrerão nos dias 12, 19 e 26 de Fevereiro, entre as 21h00 e as 22h00, via Zoom.

‘Tudo o que ainda podemos ser’, através de cada uma das três sessões que integram o Ciclo, procura apresentar uma leitura das respostas dadas a pessoas com ELA ao longo do ano de 2020 e início de 2021, em pleno contexto pandémico. Procurar-se-á, assim, refletir sobre aquilo que ficou em suspenso mas também compreender de que forma é que a prestação de cuidados de saúde pode ser reconfigurada para garantir um maior e melhor acompanhamento de doentes e cuidadores, durante e após a pandemia.

A primeira sessão está agendada para o próximo dia 12 de Fevereiro, entre as 21h00 e as 22h00 e decorre online, através da plataforma da Academia Linde Saúde.

12 de Fevereiro 21h-22h | Desafios no Acesso aos Cuidados de Saúde

Moderador: Nelson Nabais, Linde Saúde

Inscrição gratuita mas obrigatória

19 de Fevereiro 21h-22h ​| ELA: Do Diagnóstico à Referenciação

Moderador: Aguarda confirmação

Inscrição gratuita mas obrigatória

26 de Fevereiro 21h-22h | O papel da Telemedicina na reconfiguração dos modelos de prestação de cuidados

Moderador: Aguarda confirmação

Inscrição gratuita mas obrigatória

Apoiar a iniciativa solidária da APELA

MBWAY: 968 356 350

Transferência Bancária via IBAN: PT50 0007 0369 0003 0460 0061 6

 

Imagem: APELA

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Agenda, Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.