Sandra Pimenta

Cidadania | O dia depois de amanhã

Cidadania | O dia depois de amanhã

Pub

 

 

Além de ser o título de um filme de 2014, que retrata de forma muito real o impacto das alterações climáticas no mundo, “o dia depois de amanhã” deveria ser alvo de reflexão, nomeadamente no que diz respeito às nossas escolhas e ao impacto destas sobre a nossa vida e a dos outros.

Era exatamente nesse dia – o depois de amanhã – que os mentores da Revolução de 25 de Abril de 1974 tomaram como foco para levar a cabo a libertação do país do regime de ditadura instalado na época. Não o vivi, mas cresci com a sombra de um Estado autoritário, ditador, que oprimia quem queria – quer fosse através da censura, da prisão ou da violência.

Trago comigo memórias transmitidas pelas gerações anteriores, discursos na primeira pessoa e que me acompanham até aos dias de hoje, não me deixando esquecer os direitos, liberdades e valores pelos quais devo lutar, de forma a que amanhã a geração que me segue não vivencie os extremismos radicais que conduzem a atropelos dos direitos humanos, à discriminação, à segregação social ou racial, ao fim do Estado solidário, social e de liberdade.

Ditadura e plebiscitos

Existe um facto muito particular e que nos deve fazer refletir. A Constituição de 1933, aquela que viria a revelar-se a Constituição de um Estado ditador, foi a única a ser plebiscitada. Estariam os e as portuguesas, na altura, conscientes do seu futuro aquando dessa votação?

Estarão os portugueses e as portuguesas conscientes do seu futuro quando tendem a dar rédea solta aos movimentos camaleónicos da extrema direita? Defendo que a resposta para mostrar o desagrado pelas políticas públicas passa por um maior envolvimento dos cidadãos e cidadãs nas decisões locais e nacionais e não por depositar nas mãos de alguém, com tiques ditadores, o futuro de uma democracia.

Importa decidir o dia ‘depois de amanhã’

A memória coletiva do nosso passado recente está, assustadoramente, a desvanecer e ainda nem 50 anos passaram. Importa, por isso, que cada um e cada uma de nós que acredita, verdadeiramente, num Estado de direito, democrático e inclusivo, num Estado capaz de fazer cumprir o legado deixado por todos aqueles que lutaram pela nossa liberdade, e de respeitar a nossa Constituição – tantas vezes referenciada – tome para si a luta que foi de outros, tome nas suas mãos o seu próprio destino.

Porque gritar e bracejar não nos dá razão , assim como não se torna verdadeira uma premissa só porque é repetida incessantemente. Pensemos no dia que queremos para depois de amanhã.

 

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Política, Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.