‘Não há vacina para o antissemitismo’

Violência | Guterres apela a aliança contra a xenofobia e o nazismo

Violência | Guterres apela a aliança contra a xenofobia e o nazismo

Pub

 

 

António Guterres, o secretário-geral da ONU, defendeu uma ação global de combate à propaganda e desinformação e apelou à generalização da educação sobre as ações praticadas pelo regime nazi durante a II Guerra Mundial. A mensagem foi lançada na cerimónia do Dia Internacional da Lembrança do Holocausto da ONU, organizada conjuntamente pela Organização das Nações Unidas, a UNESCO e a pela Aliança Internacional pela Memória do Holocausto, assinalado o 76.º aniversário da libertação do tristemente célebre campo de concentração de extermínio de Auschwitz-Birkenau.

No discurso proferido, António Guterres pediu ao mundo para se unir em aliança internacional coordenada contra o crescimento dos discursos e práticas de xenofobia, neonazimo, antissemitismo, supremacia branca e ódio que se têm vindo a manifestar nas sociedades contemporâneas, em grande parte provocados e agravados pela pandemia da COVID-19. A pandemia trouxe “novas oportunidades para explorar turbulências sociais, colocar as pessoas umas contra as outras e atingir as minorias, com base na religião, raça, etnia, nacionalidade, orientação sexual, deficiência e estatuto de imigração”, exacerbando “as injustiças e divisões de longa data”.

No que se refere à necessidade de uma ação global urgente “para combater a propaganda e a desinformação”, António Guterres lembrou que quase dois terços dos jovens norte-americanos não sabem que seis milhões de judeus foram mortos durante o Holocausto.

Antissemisto continua bem presente no mundo atual

O líder da ONU observou que o antissemitismo encontrou sua expressão mais horrível no Holocausto, e disse que a “repulsa universal a este crime” foi um dos eventos que levou à fundação e redação da Declaração Universal dos Direitos do Homem pelas Nações Unidas. “Mas não acabou”, disse. “De facto, hoje o antissemitismo está a ressurgir em muitos lugares do mundo”, no meio de um ataque global à ciência e à verdade.

De forma triste mas não surpreendente, como o número de sobreviventes do Holocausto diminui a cada ano, esta pandemia facilita ainda mais o desencadear pelos supremacistas brancos e os neonazisde de nova manifestação negacionista do Holocausto, arrastando a negação, distorção, minimização e reescrita da História.

Na Europa, nos Estados Unidos e noutros lugares, “os supremacistas brancos organizam-se e recrutam além-fronteiras, exibindo descaradamente os símbolos nazis e as suas ambições assassinas”, acrescentou. Alguns exemplos chocantes foram mesmo vistos nas últimas semanas, atestou Guterres, referindo-se à violação do edifício do Capitólio dos EUA, em Washington DC, por extremistas violentos em 6 de janeiro último, onde alguns foram apanhados em flagrante pelas câmaras de reportagem exibindo símbolos e mensagens nazis, incluindo homenagens ao campo de concentração de Auschwitz.

“A propaganda que liga os judeus à pandemia, por exemplo, acusando-os de criar o vírus como parte de uma tentativa de dominação global, seria ridícula, se não fosse tão perigosa”, salientou ainda a Lusa, em artigo de divulgação da SIC Notícias sobre estas declarações de António Guterres, sobre esta que é apenas a última manifestação de uma associação antissemita a uma pandemia, “acusação que data pelo menos do século XIV, quando os judeus foram acusados de espalhar a peste bubónica”.

‘Não há vacina para o antissemitismo e a xenofobia’

Depois de décadas na sombra, os neonazis e as suas ideias ganham nos dias de hoje nova “popularidade e até uma espécie de respeitabilidade”. Guterres assinala, por isso, que em alguns países, as suas mensagens e ideologia podem ser ouvidas em debates entre os principais partidos políticos e, em outros, os neonazis infiltraram-se na polícia e nos serviços de segurança do Estado.

Enfatizando a necessidade de “fortalecer urgentemente nossos esforços conjuntos” contra os perigos que eles representam, o Secretário-Geral disse: “Não há vacina para o anti-semitismo e a xenofobia”.

Responsabilidade universal

“Hoje, enquanto vozes odiosas continuam a fazer-se ouvir, negando ou distorcendo a realidade implacável desses factos, temos a responsabilidade universal de lembrar cada um e todos os indivíduos que os nazis procuraram apagar da face da terra”, disse o chefe da UNESCO.

 

Imagem: ONU

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.