Anabela Ramos

Sabores | Numa cozinha do século XVIII com Francisco Borges Henriques

Sabores | Numa cozinha do século XVIII com Francisco Borges Henriques

Pub

 

 

Cozinha Portuguesa do Século XVIII dada à luz em ‘Receitas e Remédios de Francisco Borges Henriques’


 

 

Habituados que estamos às nossas cozinhas modernas, temos que fazer um grande esforço para recuar à azáfama de uma cozinha do século XVIII. As fogueiras crepitantes, os fogareiros para cozinhados mais delicados; as brasas para manter a comida quente, ou cozê-la lentamente, os fogões e os fornos de lenha contrastam com a sofisticação actual. Mas temos ainda que juntar a força dos braços para amassar as massas, bater as claras e peneirar as farinhas, em peneiras de seda e de cabelo. Num tempo sem passevite nem varinha mágica era com peneiras e almofarizes que se moíam e pisavam certos alimentos como as frutas já cozinhadas, a amêndoa e o arroz.  E porque na cozinha não se fazia só comida, mas também caldos muito apurados, e outros remédios, para quando se estava doente, importava ter todo um conjunto de alfaias e de saberes sempre que o médico prescrevia uma determinada terapia. Depois não podemos esquecer a labuta diária de partir a lenha certa para as diferentes necessidades de calor e de ter águas limpas com abundância nas pias.

É este ambiente que sentimos pulsar quando nos perdemos na leitura das receitas e remédios de Francisco Borges Henriques, escrito pelo próprio na primeira metade do século XVIII.

Sobre este homem, não ficaram grandes registos que nos permitam hoje traçar-lhe um percurso de vida com segurança. Sabemos que foi servidor de um outro homem, rico e poderoso, Bento Beja de Noronha, juiz do tribunal do Santo Ofício, em Lisboa, e, depois, Bispo de Elvas.

Mas pelo seu livro de receitas e remédios, que escreveu para governo de sua casa, podemos, com alguma clareza, perceber os seus gostos, os cozinhados que foi preparando, as trocas de receitas que efectuou com várias personalidades da época: conventos, senhoras donas e colegas de profissão; assim como as receitas que foi colhendo das viagens internas e externas que fez ao longo da vida.

Percebemos também a forma como procedia à administração da vida doméstica e agrícola da casa que lhe estava confiada, quer fosse a casa do Senhor que servia ou, mais tarde, a sua própria casa.

Encontramos na obra de Francisco Borges Henriques o melhor da cozinha portuguesa do século XVIII. O velho mundo, com os seus ingredientes milenares, funde-se, finalmente, com os novos alimentos chegados nas naus que cruzavam o Atlântico e o Pacífico e, dos “novus mundus”, trazem o açúcar, a laranja doce, o feijão, o tomate, o pimento, a abóbora, o cacau, o café, o milho maiz, o coco… Encontramos uma herança que nos ficou e que hoje está à mesa de todos nós. Os pezinhos de coentrada, as azeitonas de Elvas, as tripas do Porto, o pão-de-ló, a feijoada, o molho de escabeche, o arroz de tomate, o cozido à portuguesa, o caldo verde ou a ginjinha. Mas porque não também os pastéis de nata, o toucinho do céu, os ovos-moles, o leite-creme ou os populares bolos de milho.  Todas o autor vai apontando por entre muitas outras num total de quase 700 receitas!

Aventurem-se nesta obra fantástica de 624 páginas, publicada pela Ficta Editora, e mergulhem no que de melhor, neste momento, se pode oferecer sobre a memória alimentar portuguesa.

Imagens: Ficta Editora

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Cultura, Sociedade

About Author

Anabela Ramos

Historiadora.

Write a Comment

Only registered users can comment.