Tibães melhora condições de visita ao Mosteiro

Tibães melhora condições de visita ao Mosteiro

Pub

 

 

O Mosteiro de Tibães, em Braga, tem atualmente duas intervenções em curso, totalizando um investimento de cerca de 80 mil euros: a reconstrução de muros da cerca e reabilitação da Capela do escadório; e a execução e instalação da sinalética interpretativa e informativa.

As intervenções deverão estar concluídas dentro de três meses e decorrem no âmbito da Operação Mosteiros a Norte, promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte e cofinanciada pelo Programa Operacional Norte 2020.

A primeira intervenção visa a recuperação de elementos estruturais dos muros da cerca do Mosteiro que apresentem troços em derrocada, de alguns muros do escadório da Rua das Fontes que se encontram em situação instável e a reabilitação da cobertura da Capela de S. Bento.

mosteiro de Tibães - Braga - Património

Já a segunda intervenção prevê a execução e instalação de elementos de sinalética informativos, interpretativos e direcionais para os diferentes espaços do Mosteiro de Tibães, incluindo a área afeta à hospedaria. A execução deste trabalho dignificará as condições de visita ao Mosteiro de Tibães e contribuirá para um melhor conhecimento e fruição desta tipologia monástica.

braga - mosteiro de tibães

Estas ações fazem parte da Operação Mosteiros a Norte, a qual visa dar continuidade às intervenções de consolidação do edificado já anteriormente realizadas nos mosteiros de Arouca, Grijó, Rendufe, Tibães, Pombeiro e Vilar de Frades.

Operação ‘Mosteiros a Norte’

Os Mosteiros a Norte – Arouca, Grijó, Rendufe, Tibães, Pombeiro e Vilar de Frades – incluídos na candidatura constituem um importante legado da arquitetura religiosa monástica a norte de Portugal. Estando classificados como Monumentos Nacionais ou Imóveis de Interesse Público, a sua preservação, valorização e divulgação é considerada prioritária. Estes espaços assumem ainda, pela sua dimensão e valor patrimonial, uma forte presença no território, pelo que constituem polos dinamizadores de atratividade na paisagem rural e urbana onde se inserem, pela proximidade com os respetivos centros urbanos de Arouca,Vila Nova de Gaia, Amares, Braga, Felgueiras e Barcelos. Na sua maioria são mosteiros beneditinos, com a exceção do Mosteiro de Grijó, Arouca e Vilar de Frades, que obedeciam respetivamente às regras de Stº. Agostinho, de S. João Evangelista e de Cister.

A rede Mosteiros a Norte pretende dar continuidade às intervenções de consolidação do edificado, melhorando e criando espaços de receção e acolhimento, articulando com o reforço de iniciativas culturais e artísticas e de divulgação dos espaços monásticos e consequente aumento do número de visitantes e criação de novos públicos. É objetivo desta operação privilegiar a fruição e usufruto do património cultural como uma rede temática de grande valor patrimonial resultante do aprofundamento da interpretação dos percursos de visita, através dos registos fotográficos e em vídeo das intervenções realizadas, da criação de suportes multimédia e produção de desdobráveis como elementos fundamentais para acompanharem os visitantes deste itinerário cultural.

Visitas grátis

Em 2021, na sequência da aprovação da Lei do Orçamento de Estado, os museus, palácios e monumentos nacionais passam a ter entrada gratuita, em permanência, aos domingos e feriados. A entrada passa também a ser gratuita para estudantes do ensino profissional e superior das áreas nas áreas histórico-artísticas, turismo, património e gestão cultural.

Biografia | Matilde de Sabóia, Rainha de Portugal (? – 1158)

Imagens: Mosteiro de Tibães

Pub

Categorias: Braga, Cultura, Património

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.