Mário Jorge Machado, presidente da Associação da Indústria Têxtil e do Vestuário, pronuncia-se sobre novos apoios do Governo

Têxtil | ATP preocupada com possibilidade de novo confinamento

Têxtil | ATP preocupada com possibilidade de novo confinamento

Pub

 

 

 

O país não pode voltar a um novo confinamento, uma vez que poderia ser fatal para algumas empresas. O alerta é dado por Mário Jorge Machado, presidente da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, que aplaude o novo regime esta quinta-feira aprovado pelo Governo que prolonga o apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade em empresas em situação de crise, revela o T-Jornal.

Este aviso surge num momento em que diversos países europeus se encontram em tal situação e se começam a ponderar medidas potencialmente mais gravosas para as empresas e o emprego em geral também em Portugal. Ao mesmo tempo tempo, o líder da ATP destaca também o forte contributo positivo do lay off simplificado, o setor industrial da economia mais empregador na região do Minho.

Sistema de saúde pode ser fonte de novo confinamento

“Só se a capacidade do sistema de saúde visto como um todo – SNS e privados – se esgotar em termos dos  cuidados intensivos é que será inevitável um novo lockdown”, destacou Mário Jorge Machado àquela publicação. “É mais barato recorrer à saúde privada que voltar a confinar o país”. O gestor recorda que “os custos de um novo confinamento na sua máxima amplitude serão definitivamente mortais para algumas empresas”.

Acesso a novo quadro de apoios tem em vista manutenção do emprego

Face ao agravar da situação, depois de mais uma renovação do Estado de Emergência, o Governo decidiu, no Conselho de Ministros desta quinta-feira, avançar com um novo quadro de apoios extraordinários à economia, ao emprego e às famílias que dá resposta a algumas das  preocupações da ATP e outras associações empresariais. Assim, todos os trabalhadores que se encontrem abrangidos pelo lay off simplificado e pelo apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade passam a auferir 100% da sua retribuição normal ilíquida até três retribuições mínimas mensais garantidas (RMMG), não havendo lugar a esforço adicional dos empregadores.

Outro dos pontos definidos no Conselho de Ministros diz respeito à criação do apoio simplificado para microempresas em situação de crise empresarial, tendo em vista a manutenção de postos de trabalho, isot para lá da prorrogação do apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial até 30 de junho de 2021.

Este novo quadro de apoios estende-se ao elenco dos beneficiários do apoio à retoma dos membros de órgãos estatutários que exerçam funções de gerência e mantém a dispensa parcial de contribuições para a segurança social, a cargo da entidade empregadora, para as micro, pequenas e médias empresas.

Finanças | Banco Credibom considerado 5 estrelas pela terceira vez

Imagem: ATP

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Economia

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.