‘Emergência é garantir uma economia política de bem-estar’

Emergência salarial

Emergência salarial

Pub

 

 

O Estado de Emergência não é necessário legalmente para medidas de saúde pública nem tem qualquer efeito nas taxas de contágio. O mundo e Portugal estão a passar por um processo de restruturação produtiva de substituição massiva de postos de trabalho, automação e subsídios a empresas ‘verdes’ que vão implicar milhões de novos desempregados e queda geral dos salários – a [contínua] renovação do Estado de Emergência serve o propósito de fazer esta restruturação sem greves, protestos ou reacção por parte dos trabalhadores. O paradoxo da história é que esta restruturação também vai ser feita nos serviços de saúde e na educação onde, em breve, seremos atendidos digitalmente em muitos serviços (já estamos), e são tantos os profissionais de saúde que pedem mais medidas restritivas e apoiam estas…cavando o seu próprio desemprego. Quando as alas COVID estão de facto pressionadas mas o resto está em subutilização – e o resto é a maioria de quem trabalha na saúde.

A queda do salário, prevejo, será em torno dos 25% – a TAP parece ser o laboratório. A ‘bazuca‘ (empréstimo do Estado – Banco do Luxemburgo) cumprirá a circulação financeira do mesmo, acumulando juros pagos pelos países periféricos aos países centrais – as empresas recebem dinheiro emprestado, despedem, enviam trabalhadores para a segurança social, pré-reforma ou reforma, e contratam menos trabalhadores por menos salário – tudo com a ‘bazuca’ como garantia, ou seja, nós contribuintes. Não há nada de ecológico nem sustentável nesta restruturação produtiva e o Estado de Emergência impede ou atemoriza os sectores que se podem opor a esta restruturação – transportes, logística, serviços públicos, fabril -, porque os convida à não reacção, ou inibição da ação.

Emergência é garantir uma economia política de bem-estar

Ninguém criou este vírus, isso de facto são teorias absurdas, mas o que se está a fazer à boleia da pandemia só é comparável, creio, à restruturação da década de 70 – um desastre que vai aumentar o cansaço, a desmotivação, e fazer cair ainda mais o mercado interno português à boleia dos baixos salários. E um aumento enorme da desigualdade mundial. Não há uma estratégia de país, por parte das elites que o governam – nunca houve, mas agora é óbvio. Está em curso uma nova troika, uma queda geral de salário e um desemprego que vai passar 1 milhão, creio até 1 milhão e meio de pessoas (já está nos 800 mil), e o Estado de Emergência é a sua garantia. A pandemia tornou-se para muitos um drama e para outros uma oportunidade. É tudo eticamente inaceitável. E resistir a isto é um dever do mundo do trabalho, das pessoas civilizadas e de quem não cede a democracia ao medo porque sabe o preço que a história nos obriga a pagar quando o fazemos.

A Emergência é garantir empregos, salários, redução do horário de trabalho sem redução salarial, políticas realmente ecológicas para salvar as pessoas, uma economia política do bem-estar. E direitos democráticos.

Raquel Varela lança ‘Uma Revolução na Saúde’

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91 — BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

About Author

Raquel Varela

Raquel Varela é Historiadora, Investigadora e professora universitária/ Universidade Nova de Lisboa /IHC e Fellow do International Institute for Social History (Amsterdam). Foi Professora-visitante internacional da Universidade Federal Fluminense. É coordenadora do projeto internacional de história global do trabalho In The Same Boat? Shipbuilding industry, a global labour history no ISSH Amsterdam / Holanda. Autora e coordenadora de 25 livros sobre história do trabalho, do movimento operário, história global. Publicou como autora 51 artigos em revistas com arbitragem científica, na área da sociologia, história, serviço social e ciência política. Foi responsável científica das comemorações oficiais dos 40 anos do 25 de Abril (2014). Em 2013 recebeu o Santander Prize for Internationalization of Scientific Production. É editora convidada da Editora de História do Movimento Operário Pluto Press/London e comentadora residente do programa semanal de debate público O Último Apaga a Luz na RTP.

Write a Comment

Only registered users can comment.