Hugo Moreira

Origem | ‘O Deus dos deuses’

Origem | ‘O Deus dos deuses’

Pub

 

Ao longo da história, e boa parte da pré-história, sempre houve Deus e muitos outros deuses.


 

 

Quem anda no mundo da espiritualidade sabe que temos tudo o que é necessário para cumprir a nossa tarefa aqui no planeta Terra, mesmo que não tenhamos nenhuma tarefa pré-concebida à nascença porque temos que nos entreter com alguma coisa.

Acredito que a minha tarefa seja a da Conexão. Sou português e a história sempre nos mostrou que o português foi aquele que uniu o preto com o branco, passe a redundância, porque nesta mistura também se incluíam indígenas, indianos, chineses ou japoneses e até timorenses.

Sinto-me dividido na procura do pensamento necessário para percorrer o caminho que a água me leva. Morte após morte porque o ribeiro morre no rio e o rio morre no mar.

Caminhos de transcendência

Há quem defenda a visualização criativa no positivo e há quem defenda a meditação no negativo como preparo para o pior que possa acontecer. Há ainda quem defenda o caminho do meio numa constante introspeção e correção das sensações que o corpo nos oferece.

A este patamar do caminho que percorro sinto que o corpo já não me pertence. Coração e corpo estão entregues a Deus porque consigo sentir as emanações das emoções e pensamentos transmitidos pelos seres de que me rodeio.

Também sou espiritualidade

De modo mais simples e matemático, diga-se que 1/3 da minha presença provém de Deus, do sincronismo ou destino; 1/3 corresponde às minhas necessidades fisiológicas e postura corporal; e o último 1/3 corresponde às emanações emitidas pelos seres que me rodeiam, sejam pessoas, animais, plantas ou pedras, a água e a terra, o Sol e a Lua, as nuvens, os carros e as motas.

Terei eu entregue o meu destino a Deus de modo que o poder sobre mim tenha sido reduzido ao mínimo ao ponto de dizer que a minha vida já não me pertence?

Serei eu uma centelha de Deus?

Que propósitos tem Deus para a minha vida?

Não refiro aqui o Deus cristão ou um Deus hindu, mas sim o sincronismo do acaso, daquilo que não é palpável, que é irracional e ao mesmo tempo faz sentido.

Que nome lhe hei-de dar para que seja conhecido por todos e tenha correspondência com o nosso passado que não o nome de Deus?

Portugal e os seus Deuses

Fruto da sua história, Portugal aclama ‘o Deus dos deuses’. Mas inverta-se a questão, coloque-se a questão ao contrário:

Será possível acreditar que os nossos antepassados portugueses, fruto de tantas mesclas entre cristãos, árabes, judeus, celtas e romanos que ainda hoje temos presente com a língua que faz de nós uma Pátria – palavras como olá remetem-nos ao Deus árabe Alá ao Deus Rastafari Jah, e muitas outras a que ficarei atento e que fazem da nossa língua portuguesa uma língua mágica -, apenas idolatravam o Deus cristão?

Espiritualidade | O legado dos primeiros seguidores de Jesus

Peregrinar | Pandemia causa intensa redução de partidas de Braga para Santiago de Compostela

Imagem: divs (ed VN)

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

About Author

Hugo Moreira

Hugo Gomes Moreira. Nascido em 1988 Resdie atualmente em Vila Real, onde frequenta o 3º curso universitário na UTAD – Engenharia Florestal e é um estudioso dos fenómenos e mecanismos da Natureza. A par com o percurso académico, estuda as artes chinesas de adivinhação (I Ching) e do estudo da forma (Feng Shui). Reikiano, desde cedo se interessou pela espiritualidade e pelo estudo das Religiões e Filosofias das várias partes do Mundo.

Write a Comment

Only registered users can comment.