Évora, Famalicão, Guimarães, Lagos, Lisboa e tantas outras cidades e vilas de Portugal lamentam a perda de um homem que tomou sobre si o revisitar da identidade portuguesa

Obituário | Faleceu João Cutileiro, reinventor de Portugal

Obituário | Faleceu João Cutileiro, reinventor de Portugal

Pub

 

 

Foi um dos grandes nomes das artes plásticas portuguesas do Século XX. Morreu na madrugada desta terça-feira de complicações provocadas por um enfisema pulmonar. Tinha 83 anos.

Embora também esculpisse em broze, é pela excelência do seu trabalho maior em pedra mármore que fica para a posteridade. Haveria de ser o pó libertado por esta pedra ao ser trabalhado que a estar na origem do enfisema pulmonar de que haveria de padecer.

Possuía oficina em Évora. ‘Tomou sobre si a tarefa imensa de revisitar a identidade portuguesa, esculpindo as figuras que povoam o imaginário da História nacional’, em particular as dos seus reis espalhadas pelas praças de vilas e cidades deste nosso Portugal, lembra Luísa Soares de Oliveira no Público, mas também ficará para a história da arte pela delicadeza do seu tratamento das esculturas de mulheres. 

A descoberta da escultura

Foi uma viagem a Florença, no princípio da década de 1950, que o fez escolher em definitivo a escultura. Naquela cidade italiana, descobriu a escultura de Miguel Ângelo, o que, no seu regresso a Portugal, o levou a inscrever-se na Escola de Belas Artes de Lisboa, escola que abandonaria 2 anos mais tarde porque queria experimentar novos materiais e novas linguagens.

Controvérsias e experimentalismo

Ao longo de sete décadas de uma carreira esculpida na pedra não faltaram controvérsia e experimentalismo. ‘Cortou cedo com o academismo do Estado Novo, criando uma obra que dividiu opiniões, marcada pela polémica e pela voluptuosidade dos corpos rasgados em pedra’, assinala o Jornal de Notícias. A sua obra mais polémica é a estátua de D. Sebastião, em Lagos, sobejamente conhecida e ponto de visita de todos quantos se deslocam ao Algarve nas suas férias. Nesse trabalho, confrontou o academicismo do Estado Novo, pelo que recebeu fortes críticas, inclusive dos seus colegas para quem a arte escultórica se destinava a produzir peças decorativas. Em Famalicão, nos anos imediatos à colocação de D. Sancho I, também não faltaram críticas e piadas sobre o trabalho, atendendo ao estilo atarracado de representação de um personagem tão relevante para a história da cidade.

Imagens: (0) Municípios de Guimarães, Famalicão e Lagos (ed VN), (1) Veritas, (2) Manuel V Botelho

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Arte, Cultura, Obituário

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.