Ilídio Torres

Olimpismo | Ara Abrahamian, revolta na derrota e uma medalha rejeitada

Olimpismo | Ara Abrahamian, revolta na derrota e uma medalha rejeitada

Pub

 

 

Ara Abrahamian, atleta arménio, ainda do tempo em que a sua pátria era uma república socialista soviética, competiu pela Suécia, a sua nacionalidade de adopção, na luta greco-romana dos Jogos Olímpicos de Atenas de 2004 e foi vice-campeão da categoria de meio-pesado.

Ficou, negativamente, assinalado nos registos Olímpicos como um irreverente, o autor de um ato de rebeldia que haveria de provocar a ira do Comité Olímpico Internacional. Na cerimónia de entrega das medalhas, descontente com a sentença dos juízes que nas meias-finais o arredaram da medalha de ouro ou prata, baixou do pódio e, uns metros à frente, largou a medalha de bronze e deixou-a caída no chão.

Foi então suspenso de toda a atividade competitiva acusado de comportamento indigno, uma perturbação da cerimónia, uma manifesta ausência de fair-play.

A sua pena haveria de ser cancelada pela Federação Internacional de Luta Amadora (FILA) e autorizado a voltar à competição devido a uma atitude do tribunal de Arbitragem para o Desporto por sentença de Março de 2009.

Da Arménia para a Suécia

Nasceu em Julho de 1975 e muito novo, com apenas oito anos deu início à sua atividade desportiva na luta greco-romana. Foi campeão júnior da Arménia e, em 1994, foi a Estocolmo, na Suécia, para ganhar uma prova da mesma categoria.

O seu estatuto de cidadania sueca foi obtido após a sua deserção para a Suécia onde foi acolhido e inserido no desporto local, acabando por ser incluído na equipa olímpica nacional, em 1998.

Segundo uma declaração sua, na ida aos Jogos de Atenas, em 2004, estava planeado o fim da sua carreira atlética.

Para ser campeão não basta ser ‘bom’

Sobre a sua atitude, Ara Abrahamian justifica o incidente apontando esse mesmo indigno comportamento a terceiros, neste caso acusando os juízes de corruptos, subornados por outros, porque a atribuição de pontos não obedeceu a critérios justos e a vitória ao adversário aconteceu num momento em que ele se encontrava com a mão na zona azul. Contudo, tal não é motivo de penalização porque o mesmo adversário chegou a estar com quase todo o corpo na dita zona. Em sua defesa, os responsáveis suecos pediram uma revisão do filme, facto que foi recusado.

Enfim, aos pressupostos campeões não basta ser “bom”, é necessário demonstrar qualidades humanas que o justifiquem. Na verdade, há muitos campeões que não passam de autênticas máquinas.

Olimpismo | Japoneses Shuhei Nishida e Sueo Oe atribuem-se ‘medalhas da amizade’ nos Jogos de 1936 em Berlim

Jogo | Seleção, Porto e Benfica lideram preferência de portugueses nas apostas online

Imagem: COI + Ara Abrahamian / Ed VN

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Desporto

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.