Balanço da organização indica que doença se tornará endémica

OMS alerta para ameaças de possíveis pandemias mais graves que a COVID-19

OMS alerta para ameaças de possíveis pandemias mais graves que a COVID-19

Pub

 

 

Organização Mundial de Saúde (OMS) realizou um balanço de final de ano em que o combate à Covid-19 foi centro de atenções. Aproveitou também o momento para traçar perspetivas para 2021, sublinhando que, apesar da vacina, a doença permanecerá endémica.

“Parece que o destino do SARS-CoV-2 é tornar-se endémico, assim como os outros quatro coronavírus humanos [previamente conhecidos], e que continuará a sofrer mutações enquanto se reproduz nas células humanas, especialmente em zonas com elevadas taxas de contágio”, assinalou David Heymann, epidemiologista da Escola de Medicina Tropical de Londres e líder do grupo estratégico e técnico de aconselhamento para riscos infecciosos. Por isso, afirma, necessitamos de combinar as “ferramentas para salvar vidas” com “uma boa saúde pública”.

“O conceito de imunidade de grupo está mal compreendido, quando se acredita que, de alguma forma, o contágio diminuirá se um número de pessoas suficientes forem imunizadas”. Apesar de vacinas e testes, o vírus continuar-se-á a espalhar, pelo que “temos de conviver com isso”. “Ninguém pode prever como vai evoluir a imunidade porque há muitas coisas que ainda não se sabem, como a duração da imunidade oferecida pelas vacinas”, acrescentou o especialista.

Honrar as perdas salvando vidas

Mas esta pandemia “não será necessariamente a maior” e deveremos estar alerta para o facto de uma próxima poder ser ainda “mais severa” que a atual, referiu, por sua vez, o dirigente do programa de emergências da OMS, Mike Ryan. Esta “pode não ser a grande pandemia que temíamos” porque embora este seja “um vírus muito transmissível e mortal”, apresenta, no entanto, “uma mortalidade relativamente baixa em comparação com outras doenças transmissíveis”. Ou seja, “mesmo quando a pandemia de Covid-19 estiver controlada, estas ameaças vão continuar”, alertou.

Segundo Mike Ryan, “o planeta é frágil”. “vivemos numa sociedade global cada vez mais complexa”. Apesar de estarmos “a aprender agora a fazer melhor as coisas – ciência, logística, treino e liderança governamental, comunicar melhor”, “precisamos de honrar aqueles que perdemos, melhorando o que fazemos todos os dias”.

Sobre a vacina, Mike Ryan defende também que esta ferramenta “não é garantia de eliminação ou erradicação de uma doença infeciosa”. O seu primeiro objetivo “é salvar vidas e proteger os vulneráveis”, permitindo que “a disseminação do novo coronavírus seja controlada e as sociedades possam regressar à normalidade”.

Conhecimento ainda reduzido sobre ação das vacinas

A terceira e última especialista a tomar a palavra foi a cientista-chefe da organização, Soumya Swaminathan, que reforçou a mensagem de que o facto de a vacinação estar no terreno não significa que distanciamento social e uso de máscaras sejam para descartar nos meses que aí vêm. Quanto às vacinas, foi também cautelosa: “O primeiro papel da vacina é prevenir doenças sintomáticas, doenças graves e mortes. Mas ainda não se sabe se também reduzem o número de infeções ou evitam que as pessoas transmitam o vírus”.

Cinema | ‘Chungking Express’ de Wong Kar-Wai. Como no amor, um filme com 10.000 anos de prazo de validade

Imagem: OMS/edVN

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Pandemia, Saúde, Sociedade

About Author

Related Articles

Write a Comment

Only registered users can comment.