Anabela Ramos

Sabores | Bolo-rei à portuguesa

Sabores | Bolo-rei à portuguesa

Pub

 

 

Não há mesa natalícia sem bolo-rei. Foi o rei da festa ao longo do século XX e promete sê-lo também no século XXI. Nos séculos anteriores, e até quase meados do século XX, os Natais da maioria dos portugueses viviam-se com outros doces, mas o bolo-rei foi ganhando lugar e protagonismo. Hoje vende-se amiúde durante toda a época natalícia, na sua maioria de fraca qualidade, mas suficientemente enfeitado capaz de conquistar compradores que já se esqueceram do verdadeiro sabor de um bolo que nasceu para ser feito devagar:  bem amassado, fermentado o tempo necessário e enriquecido com ingredientes de qualidade.

Consciente desta pobreza doceira, que aliás se estende a grande parte da nossa pastelaria, resolvi, há alguns anos atrás, fazer o meu próprio bolo-rei. E não me tenho arrependido. Este ano introduzi algumas novidades: utilizei farinha de trigo biológica e massa-mãe, o fermento natural feito em casa, em vez do que comprava habitualmente na padaria. Quanto às frutas cristalizadas usei e abusei do cidrão, que também este ano resolvi cristalizar e guardar para os doces de Natal.

Comecei de véspera a fazer o isco. Logo pela manhã de 24 amassei o bolo e esperei até à noite para o ver sair do forno. Mas valeu a pena o esforço. A qualidade da farinha, o fermento, o tempo de fermentação e os ingredientes escolhidos, entre os melhores, e o “meu” cidrão, transformaram-no no rei da festa.

E ao olhar este bolo, importado nos finais do século XIX de um congénere francês, não posso deixar de o olhar como um doce genuinamente português. Um pão doce que os portugueses foram recriando e adaptando à sua realidade doceira.

Se não vejamos:

A massa é a mesma de qualquer pão doce, igual a tantos outros que se fazem em Portugal em várias ocasiões do ano. Leva farinha, açúcar, manteiga, ovos e um aroma, que pode ser uma bebida licorosa ou a raspa de laranja ou limão. Deve ser bem fermentado para crescer e ficar leve, fofo e esponjoso.

O recheio é feito com frutos secos. As uvas passas, as amêndoas, as nozes, os pinhões, os figos as ameixas e as avelãs. Todos estes frutos existiam com abundância nas casas portuguesas por esta altura. Mais uns que outros, conforme a região, mas haveria sempre alguns, que serviam também para outros doces natalícios como os formigos e as broinhas.

A decoração fazia-se nos inícios do século XX apenas com cidrão cristalizado e frutos secos. Assim nos diz Carlos Bento da Maia, em 1904: “engastando-se neles as frutas secas, ameixas, bocados de cidrão e douram-se os bolos”.  Mais tarde vão-se adicionando a casca de laranja, a abóbora, o figo, a cereja e a pêra. Todos estes frutos há séculos que fazem parte das nossas tradições alimentares e, por isso, foi fácil adicioná-los tornando o bolo mais apelativo. E quando falamos de abóbora convém lembrar que se trata da abóbora branca, vulgo cabaço ou calondro, aquela que sempre se utilizou cristalizada ou em doce, muito antes da chegada das variedades americanas, depois do século XVI. Esta abóbora é agora pintada de verde e vermelho dando ao bolo um tom mais festivo.

E resta-nos falar do cidrão, o fruto rei que casa bem com o bolo também ele real. O cidrão, ou cidra, um citrino da cor do limão, é um dos frutos mais apreciados pelos portugueses desde há longos séculos. Eram-lhe atribuídas inúmeras aplicações medicinais denominando-se cientificamente por citrus médica L. Fazia-se em doce, a cidrada, e cristalizava-se denominando-se por cidrão, quando todo o fruto era cristalizado, ou casquinhas, quando se cristalizavam apenas as cascas. Com o tempo o termo cidrão generalizou-se ao fruto.  Entrava na composição de muitos outros doces, inteiro ou picado, por ser muito aromático e saboroso. E naturalmente que também foi utilizado com sucesso no bolo-rei. Nem podia ser de outro modo! Hoje está quase ausente da doçaria portuguesa e mesmo no bolo-rei apenas algumas confeitarias ainda o adicionam! Cabe-nos a nós agora recuperar essa memória alimentar!

Dar Coisas aos Nomes | Falhar com verdade

Questionário de Proust | Jorge Reis-Sá

Obs: artigo editado em 31122020, 15h28, com substituição de imagem de destaque.

Imagem: Mulher Portuguesa

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Crónica, Cultura, Sociedade

About Author

Anabela Ramos

Historiadora.

Write a Comment

Only registered users can comment.