Diana C. Pereira

O papel positivo das emoções negativas

O papel positivo das emoções negativas

Pub

 

 

Alguma vez pensaram no papel positivo das emoções negativas?

Sabiam que a ansiedade, a tristeza, a raiva e o medo (quando não associadas a perturbações psicopatológicas) desempenham igualmente um papel positivo na nossa vida?

Vamos lá perceber como.

Ansiedade: Imaginem que têm um teste, uma entrevista de emprego, uma prova desportiva ou qualquer outro evento que vos desafie. É esperado que se sintam ansiosos e com necessidade de se preparem para enfrentarem o que têm pela frente. Essa preparação e dedicação atempadas aumentam a probabilidade de obterem melhores resultados. Pelo contrário, se não se sentirem minimamente ansiosos, a preparação será menor e menos duradoura e, por isso, a probabilidade do desafio ser bem sucedido será menor.

Tristeza: Utilizemos o exemplo anterior. Suponham que reprovam num teste, não conseguem o emprego que tanto queriam ou que não ganham o 1º lugar numa prova desportiva. A tristeza sentida pode ser positiva a longo prazo, no sentido em que vos fará analisar aquilo que poderia ter sido dito/feito de forma diferente, aquilo que correu bem, aquilo que correu menos bem e estabelecer novos objetivos/metas a atingir e novas formas de lá chegar. Ou seja, uma maior dedicação e, acima de tudo, uma maior preparação (ou, simplesmente, diferente).

Raiva / Irritação / Revolta: Suponham que vão a uma loja e que são muito mal atendidos. Para complicar, imaginem que na hora do pagamento os preços do recibo são bastante mais caros do que aqueles que estavam marcados nas etiquetas. Naturalmente, ficam irritados com toda a situação e, por isso, fazem uma reclamação do serviço. Essa reclamação pode não “apagar” o mau momento que vivenciaram, mas pelo menos faz com que o preço final das vossas compras seja o justo e com que os funcionários passem a ter mais atenção à forma como atendem os clientes e à marcação dos preços.

Medo: Um exemplo muito simples. Imaginem que vão a atravessar a passadeira, avistam um carro e percebem que este não vai travar/parar. Assustam-se e o medo de serem atropelados faz-vos parar, correr ou recuar, ou seja, salvarem-se. O mesmo para uma situação em que avistam, por exemplo, um animal desconhecido. Não sabem o que é, se é perigoso, se não é, se vos vai atacar ou se não. O medo pode fazer-vos simplesmente afastar ou tomar precauções e evitar o perigo.

Como podem ver, todas as emoções negativas podem desempenhar um papel positivo no nosso dia-a-dia. Já tinham pensado nisto? Faz-vos sentido? Conseguem imaginar outros exemplos em que a ansiedade, a tristeza, a raiva ou o medo podem ser positivos? Ou pensar em momentos das vossas vidas em que estas emoções foram “boas”?

Ensino | #Estudoemcasa vence Portugal Digital Awards

Imagem: Luis Galvez

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Ciência, Sociedade

About Author

Diana C. Pereira

Diana C. Pereira - Mestre em Psicologia pela Universidade do Minho. Psicóloga Júnior na área da Psicologia Clínica e da Saúde.

Write a Comment

Only registered users can comment.