Medida enquadra-se no objetivo de atingir os 750,00 euros em 2023

Salário mínimo aumenta para 665,00 euros

Salário mínimo aumenta para 665,00 euros

Pub

 

 

“O salário mínimo vai passar para 665,00 euros”, em 2021, assinalou o Governo na reunião da Concertação Social realizada hoje com os parceiros sociais, procedendo-se a «um aumento de 30 euros. Este aumento tem em conta o “objetivo de atingir os 750,00 euros em 2023”, disse Ana Mendes Godinho, a Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, no final da reunião da concertação social. O salário mínimo tinha o valor de 505,00 euros em novembro de 2015 quando António Costa foi nomeado primeiro-ministro pela primeira vez.

A Comissão Permanente de Concertação Social com o Primeiro-Ministro António Costa, sendo um dos temas da reunião o aumento do salário mínimo nacional. Na reunião estiveram também presentes os Ministros de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e da Agricultura, Maria do Céu Antunes, bem como o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

A Ministra Ana Mendes Godinho sublinhou que, durante a reunião, foi discutido «o impacto da evolução do salário mínimo nos últimos anos», sendo o número de trabalhadores atualmente por ele abrangidos «de cerca de 742 mil, o que representa 21,1% do total de trabalhadores em Portugal e cerca de 13% do total da massa salarial nacional».

Além de ouvir os parceiros sociais sobre as suas perspetivas da evolução da situação do salário mínimo, o Governo «reiterou a sua visão do salário mínimo como determinante na valorização dos rendimentos dos trabalhadores»

Portugal tem «uma taxa de risco de pobreza nos trabalhadores de cerca de 13%, pelo que o salário mínimo é um instrumento determinante para proteger os rendimentos dos trabalhadores», disse a Ministra.

Aumentar o consumo privado

O Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, afirmou que «faz parte da estratégia de recuperação assegurar o contributo do consumo privado para o crescimento da economia».

«O consumo privado deve continuar a dar um forte contributo para o crescimento da economia, tal como o investimento público e as exportações». Nesta estratégia «insere-se o aumento do salário mínimo».

Os parceiros sociais das confederações empresariais consideraram que o aumento do salário mínimo constitui um aumento de encargos para as empresas num momento difícil, pelo que é imperativo tentar mitigar este impacto.

Apoio às empresas

Neste sentido, o Governo apresentou três medidas, «todas a fundo perdido», «tendo em conta a natureza assimétrica do impacto do aumento do salário mínimo».

A primeira, «mais transversal», é o apoio às empresas pelo aumento de encargos que possam ter devido à decisão de aumento do salário mínimo», uma medida que devolve «às empresas o aumento de encargos perante o Estado em função deste aumento».

A segunda, «uma medida do Orçamento do Estado, que permite atualizar automaticamente os preços dos contratos com a Administração Pública, seja na prestação de serviços ou nas atividades sociais».

A terceira, «uma linha de crédito destinada às empresas exportadoras de 4 mil euros por cada posto de trabalho», qualquer que seja o salário», a lançar agora, com possibilidade de conversão de 20% a fundo perdido, podendo registar-se, assim,  «800 euros a fundo perdido». Esta medida destina-se às atividades mais expostas à concorrência externa, particularmente no turismo e nas indústrias transformadoras, onde existe uma grande incidência de trabalhadores com o salário mínimo.

A concertação social discutiu ainda a evolução do desemprego, particularmente do que é fruto da pandemia de Covid-19.

Solidariedade | Cruz Vermelha Portuguesa atribui Medalha de Benemerência ao Município de Esposende

Imagem: Aurelien Romain

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Rendimento, Trabalho

Acerca do Autor

Artigos Relacionados

Comente este artigo

Only registered users can comment.