Cidades são referência em 2020 no plano da ação ambiental e respetiva transparência

Ambiente | Braga, Porto, Águeda: 3 cidades líderes mundiais

Ambiente | Braga, Porto, Águeda: 3 cidades líderes mundiais

Pub

 

 

Braga, Porto e Águeda encontram-se entre as 88 cidades líderes ambientais a nível mundial, revela o Carbon Disclosure Project (CDP). Estas cidades lideraram a ação ambiental e a transparência durante 2020, apesar das pressões de lidar com a COVID-19. As cidades portuguesas integram uma lista que também inclui Miami, nos Estados Unidos, Buenos Aires, na Argentina, e Auckland, na Nova Zelândia.

O CDP é um think thank ambiental global sem fins lucrativos que atua divulgando informação para que dez mil investidores, empresas, cidades, estados e regiões gerenciem e divulguem os seus riscos e impactos ambientais.

Cinco anos depois de o Acordo de Paris ter sido assinado, a mais recente ciência climática diz-nos que as emissões globais devem ser reduzidas para metade até 2030 e chegar a zero líquido até 2050 para evitar mudanças climáticas catastróficas. O CDP quer ajudar a atingir estes objetivos.

Lista A

Apesar da pandemia de coronavírus, cerca de uma terça parte das cidades constam na chamada ‘Lista A’ pela primeira vez. A Lista A deste ano mostra um grande progresso desde a assinatura do Acordo de Paris em 2015, demonstrando que uma ação ambiental urgente e impactante é possível: apenas 61% das cidades na Lista A deste ano (54 em 88) divulgaram seus dados ambientais através do CDP em 2015.

Em 2015, metade das cidades da lista 2020 A (44/88) não relatou metas de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE). Hoje, todos eles relatam metas e 38% (33/88) visam atingir emissões líquidas zero até 2050 ou antes.

Todas as cidades da Lista A também fizeram progressos na construção de resiliência às mudanças climáticas, relatando planos de adaptação aos impactos climáticos. Em 2015, apenas 30% (26/88) das cidades da Lista A de 2020 relataram tais planos.

Resiliência aos impactos das mudanças climáticas

As 88 cidades na lista 2020 do CDP Cities A receberam a classificação mais alta por seus esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e construir resiliência aos impactos das mudanças climáticas. Juntos, eles estão dando um exemplo de ação ambiental que precisamos urgentemente que outras cidades e governos nacionais sigam se as emissões diminuírem rapidamente, para proteger o planeta, a economia e os cidadãos e nos colocar no caminho certo antes da COP26.

Planear e agir

Apesar da pandemia de coronavírus, 34% das cidades são novas na Lista A deste ano. Novos líderes em todo o mundo incluem Newcastle (Reino Unido), Louisville KY (EUA), Firenze (Itália) e Municipalidad de Peñalolén (Chile).

Os EUA representam o maior número (25) de cidades na Lista A, representando 28%, apesar da retirada dos EUA do Acordo de Paris.

A Lista A 2020 também está a avançar nas metas de energia renovável, com 26 cidades a trabalharem para serem 100% renováveis ​​até 2050 ou antes. 8 cidades, incluindo Copenhaga, Estocolmo e São Francisco, já alcançaram 50% ou mais dos seus objetivos.

Para obter um A, uma cidade deve divulgar publicamente e ter um inventário de emissões para toda a cidade, definir uma meta de redução de emissões e publicar um plano de ação climática. Deve também concluir uma avaliação de risco e vulnerabilidade climática e ter concluído um plano de adaptação climática para demonstrar como irá lidar com os perigos climáticos agora e, no futuro, entre outras ações.

 

A Dinamarca regista o maior número de cidades europeias com melhor pontuação – seis -, seguindo-se-lhe a Suécia, com cinco, a Finlândia, com quatro, e Espanha e Portugal, com três cidades cada.

No ano passado as cidades portuguesas incluídas na Lista A foram Lisboa, Sintra e Guimarães. Os Estados Unidos lideraram em número de cidades A.

Ricardo Rio: ‘Combate às alterações climáticas, uma prioridade absoluta’

Ricardo Rio, o presidente da Câmara de Braga, refere neste documento que “em resposta aos prementes desafios que o mundo enfrenta, [a cidade] fez os mais diversos esforços para criar estratégias de mitigação e adaptação às alterações climáticas. Esta é uma questão considerada como prioridade absoluta”.

 

Imagem: Fernando Araújo

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Paypal: pedrocosta@vilanovaonline.pt

*

Obs: envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.